Vômito: O Que é, Informações, Causas, Tratamentos

Saiba Tudo Sobre o Vômito, Uma Condição Sintomática Que Acomete a Saúde Humana. Confira os Principais Sintomas e Tratamentos!

O Vômito é um tipo de sintoma específico para caracterizar determinadas doenças ou crises estomacais. Há diversas razões para que o organismo apresente esta condição. Acompanhe as formas de tratamento e possíveis situações que fazem com que este sintoma surja no organismo.


O Que é Vômito?

Vômito

Vômitos e náuseas são sinais comuns que apresentam a possibilidade de terem causa em virtude de diversas situações. Este sintoma é um refluxo sem controle, que tende a expelir o que está presente na região estomacal por meio da boca. Náusea é a terminologia utilizada para a descrição da sensação de que haverá o vômito, porém não há a certeza que você vomitará.

Os sinais são os mais comuns e podem ter causa por diversos aspectos. Há a ocorrência em público adulto e pediátrico, ainda que seja mais comum em público feminino em período gestacional e indivíduos que estejam submetidos a tratar câncer.

De modo geral, o vômito não causa muitos problemas, porém é um alerta da possibilidade de patologias mais graves. Determinados exemplos delas, que podem apresentar vômito e náusea, fazem a inclusão de infarto agudo, meningite, contusão, obstrução do intestino, apendicite e alguns tumores no cérebro.

De forma rara, estes vômitos podem acabar rasgando a mucosa da região do esôfago e provocar sangramentos, também chamados de síndrome de Mallory-Weiss. Caso este esôfago seja perfurado e tenha rompimento, a síndrome é outra, a Boerhaave. Neste caso, é uma emergência clínica.

Vômitos na Gravidez

Em período gestacional, é possível a ocorrência de vômitos em virtude de modificações de hormônios. Contudo, estes sintomas ocorrem de forma contínua em associação a situação denominada como hiperêmese gravídica, quando a mão é capaz do desenvolvimento do desequilíbrio dos minerais e fluidos, colocando em risco a própria vida e a do bebê.

Vômitos em Crianças

Os desencadeadores mais comuns dos vômitos em crianças se caracterizam por infecção viral e intoxicações alimentares. Porém, os vômitos também podem ter causa pela tosse, cinetoses e a ingestão excessiva de alimentos.

Nas crianças muito novinhas, o bloqueamento intestinal também pode provocar o vômito persistente. O intestino é capaz de ser bloqueado em virtude de hérnias, tumores ou cálculos biliares. É raro, porém precisa de investigação clínica.

Vômitos em Adultos

Grande parte dos adultos apresenta esse sintoma de forma muito rara. Se isso acontece, o sintoma é, de modo geral, provocado pelo álcool em abuso e demais elementos, bem como infecções por vírus ou bactérias, ou ainda a intoxicação por alimentos.

Em determinadas situações, o vômito pode também ter a causa por outras patologias como as neoplasias, cardiovasculares e infecção.

Causas do Vômito

Alguns cheiros específicos também podem trazer a sensação da náusea, sendo que tal condição pode estar elevada em 1º trimestre de período gestacional, ainda que possa acontecer em indivíduos que não estejam grávidas. Este sintoma, no caso das grávidas, acaba desaparecendo no 2º trimestre.

Os sintomas podem acontece de forma separada ou em união a outra situação. Os desencadeadores que mais se destacam são:


  • Quimioterapia;
  • Enxaqueca;
  • Funcionamento ruim dos músculos estomacais;
  • Cinetose;
  • Anestesia geral;
  • Overdose ou abuso alcoólico;
  • Abuso de tóxicos;
  • Vertigem;
  • Rotavírus;
  • Gastroenterite viral;
  • Intoxicação por alimentos.

Existem situações que são menos comuns em relação a estas patologias e são passíveis de provocar vômito e náusea como:

  • Hepatite por álcool;
  • Doença de Addison;
  • Anorexia nervosa;
  • Anafilaxia;
  • Apendicite;
  • Cérebro AVM;
  • Vertigem posicional paroxística benigna;
  • AVC;
  • Hemorragia do cérebro;
  • Tumor do cérebro;
  • Doença crônica dos rins;
  • Bulimia nervosa;
  • Doença de Crohn;
  • Depressão;
  • Hiperplasia adrenal congênita;
  • Síndrome de vômito cíclico;
  • Tontura;
  • Cetoacidose diabética;
  • Cálculo biliar;
  • Infecções de ouvido;
  • Convulsão;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Lesões na cabeça;
  • Transtorno de ansiedade generalizada;
  • Insuficiência do coração;
  • Infarto;
  • Hidrocefalia;
  • Doença de Hirschsprung;
  • Hiperparatiroidismo;
  • Hipertireoidismo;
  • Isquemia do Intestino;
  • Hipoparatireoidismo;
  • Obstruções intestinais;
  • Intussuscepção – em público infantil;
  • Hematoma intracraniano;
  • Câncer do fígado;
  • Síndrome do intestino irritável;
  • Doença de Meniere;
  • Insuficiência hepática;
  • Alergia do leite – crianças e bebês;
  • Meningite;
  • Dores estomacais não-ulcerosa;
  • Câncer pancreático;
  • Gastrite;
  • Pancreatite;
  • Porfiria;
  • Úlcera péptica;
  • Pseudotumor do cérebro;
  • Porfiria;
  • Estenose pilórica – em público infantil;
  • Pseudotumor do cérebro;
  • Radioterapia;
  • Transtorno de ansiedade social;
  • Fibrose retroperitoneal;
  • Traumatismo crânio-encefálico;
  • Epilepsia.

Os desencadeadores apresentados aqui são, de forma comum, associados a tais sinais. Contudo, não significa que você apresenta esta condição. Consulte um especialista para que ocorra um diagnóstico correto sobre sua situação e siga à risca as recomendações de saúde.

Sintomas do Vômito

Esta condição consiste em apresentar as seguintes características:


  • náusea;
  • falta de apetite;
  • dor de cabeça;
  • diarreia.

É comum que o paciente também sinta a dor estomacal, forte e intensa em virtude da contração do organismo para a eliminação do conteúdo que pode estar atrapalhando o bom funcionamento do órgão.


Tratamento Para Vômito

Vômitos e náuseas apresentam vários desencadeadores, de maneira que o tratamento tem variação conforme o problema disposto pelo especialista. Portanto, apenas o médico devidamente habilitado pode mencionar o melhor remédio para a sua situação, bem como a dose adequada e o tempo do tratamento. Os remédios comuns  para tratar vômito e náusea correspondem a:

É importante buscar auxílio médico. A automedicação pode acarretar ainda mais o organismo debilitado. Portanto, faça exames e consulte sempre um especialista. Só ele é capaz de dizer, com certeza, o seu diagnóstico, bem como providenciar o melhor tratamento possível para tal condição.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.