Betabloqueadores: O Que é, Indicação, Efeitos Colaterais, Como Usar

Saiba tudo sobre os Betabloqueadores, medicamentos específicos que necessitam de prescrição médica. Confira quais os efeitos colaterais, indicações e, ainda, formas de uso destes remédios!

Os Betabloqueadores são grupamentos de medicamentos que, com frequência, têm prescrição para tratar a pressão alta, por exemplo. Estes medicamentos são mais utilizados em práticas médicas como os seguintes:


Betabloqueadores: Quais as Indicações?

Betabloqueadores

Estes remédios denominados bloqueadores dos receptores de angiotensina tratam, de forma comum, a insuficiência do coração. São eles:

  • losartana – Cozaar;
  • candesartana – Atacand;
  • eprosartana – Teveten;
  • ibersatana – Avapro;
  • telmisartan – Micardis;
  • valsartana – Diovan;

Apresentações dos Betabloqueadores

Os medicamentos, em questão, correspondem, também, aos seguintes:

  • Seloken – drágeas ou injetáveis com indicação para pressão alta, modificação do ritmo do coração, agina pectoris etc.
  • Selozok – indicação para o tratamento de hipertensão, modificação do ritmo do coração, angina do peito, infarto e prevenções de enxaquecas.
  • Atenol – controla a pressão alta, de angina pectoris, arritmia do coração, tratamento de infarto do coração.
  • Concor – indicação para tratamento de insuficiência crônica do coração, pressão alta e agina do peito.
  • Inderal – controla a pressão arterial, rins, angina pectoris, maior parte de arritmia do coração, profilaxias de enxaquecas e controla tremores.
  • Coreg – indicação para o tratamento de insuficiência do coração congestiva, dores no peito originadas no coração e hipertensão.

Bloqueadores de Caráter Adrenérgico

Bloqueadores adrenérgicos têm atuação nas substâncias receptoras beta-adrenérgicas e alfa-adrenérgicas, pré e pós-sinápticas, de modo a reduzir a hipertensão.

Além disso, reduz o débito do coração como um resultado da diminuição do tônus simpático.

Dentre eles, as substâncias betabloqueadoras têm sido mais estudadas. As diversas substâncias anti-hipertensivas têm o envolvimento:

  • redução de início do débito do coração;
  • diminuição de secreções de renina;
  • readaptações das barorreceptoras;
  • redução de catecolaminas de sinapses dos nervos.

Ainda que se destaquem pelo perfil químico, avaliações atuais não fazem o apontamento da utilização de substâncias betabloqueadoras como 1ª seleção para tratar HAS, em razão de não apresentarem eficácia na redução dos riscos de patologia arterial coronariana e de mortalidade.

Atenolol

Trata-se de um betabloqueador de maior uso em HAS, em virtude da seleção de substâncias receptoras beta-1 cardíacas, conveniência aprimorada do sistema de ingestão e redução de penetração em relação ao sistema nervoso do organismo.

É preciso evitar a utilização como uma primeira seleção medicamentosa para tratar HAS. Porém, é possível ter associação a elementos diuréticos, ao passo que seja necessário.

Não há recomendação para indivíduos com faixa etária maior de 60 anos, em período gestacional e demais casos.


Metoprolol

O medicamento também é uma substância cardiosseletiva e restrita para HAS em mulheres em período gestacional, em virtude de favorecer o organismo com menores riscos ao feto.

É possível ter o uso associado a outras substâncias anti-hipertensivas, quando houver necessidade.

Propranolol

O Propranolol é uma substância betabloqueadora não-seletiva que teve mantimento na Rename 2010 para tratar Has em público pediátrico. Por via oral, as drágeas correspondem a 1mg/ml.

Metildopa

Trata-se de uma substância alfa-agonista, com efeito central, que tem utilização restrita para HAS em período gestacional, porém aparentemente é prudente que não se empregue o medicamento como uma substância anti-hipertensiva de preferência para mulheres grávidas, visto que a diminuição dos riscos de óbito do feto não é reduzida com outras medicamentos.

Diferenças entre Betabloqueadores

As substâncias betabloqueadoras podem ter diferenças entre 3 classes, conforme a seletividade:

Não-Seletivos

Estes elementos promovem o bloqueamento de diversas substâncias receptoras adrenérgicas β1, disponíveis de forma principal na região do miocárdio, quanto os β2, disponíveis na região muscular lisa, pulmões, vasos de sangue e em demais órgãos.

A resultante disso são ações periféricas de maior acentuação como a elevação de resistência de artérias periféricas, bem como broncoconstrição. Os medicamentos mais usados desta classe correspondem a :

  • nadolol;
  • propranolol;
  • timolol.

Uma substância betabloqueadora não seletiva que tem destaque pela apresentação de atividade simpatomimética intrínseca é o pindolol.

Atua como uma substância agonista adrenérgica parcial e, por isso, apresenta menor bradicardia e broncoconstrições que outros elementos Betabloqueadores deste grupo.


Cardiosseletivos

Estes medicamentos promovem o bloqueamento somente dos receptores β1 de teor adrenérgico, que estão presentes em grande parte na região cardíaca, em sistema nervoso e renal.

Por isso, sem a ação dos bloqueios periféricos indesejáveis. Contudo, as dosagens altas também são capazes de ter efeito em receptores β2.

Efeito vasodilatador

A manifestação acontece pelo antagonismo em relação ao receptor alfa-1 periférico, como a substância do labetalol e o carvedilol, bem como a produção de óxido nítrico, a exemplo do nebivolol.

Efeitos Colaterais dos Betabloqueadores

As substâncias bloqueadoras dos canais do cálcio correspondem a drogas seguras e não apresentam ações adversas de teor grave, quando com indicação.

A ação colateral comum é o surgimento de edemas nas regiões dos pés. O edema não melhora ao ser associado a substâncias diuréticas. Porém, sim, no caso dos IECA.

Existem situações que o edema é capaz de responder à diminuição da dosagem. Porém, determinados indivíduos só podem se livrar de forma definitiva dos inchaços a partir da droga suspensa. A diminuição do consumo do sal também é capaz de ajudar.

Os edemas, em grande parte das situações, não provocam nenhum problema de relevância, além do transtorno da estética e para que se calce sapatos, por exemplo.

Determinados indivíduos costumam a aprender a viver com isto, se só conseguirem o controle da pressão arterial a partir do bloqueador de canal de cálcio.

Em caso de edemas acentuados, é preciso escolher por outro elemento para o controle da pressão arterial.

Outras ações adversas comuns destas substâncias bloqueadoras dos canais de cálcio correspondem a dores de cabeça, constipações intestinais, tontura.

A fórmula atual de liberação com lentidão já disponibilizam poucas ações adversas.

Nifedipina

Hoje, a substância da Nifedipina é a de maior prescrição, na composição Retard, com o nome comercial Adalat Retard ou Adalat CR, que apresentam efeitos prolongados e de menores ações colaterais.


Há algum tempo, era comum a utilização de drágea de Adalat, de efeito rápido, abaixo da língua para o tratamento de condição hipertensiva. A prática, atualmente, não tem mais indicação.

Isso em virtude do aumento dos riscos da queda rápida da pressão que é capaz de provocar situações isquêmicas cardíacas e relacionadas ao cérebro.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.