Fluoxetina: Para Que Serve e Como Usar

Quer informações relacionadas ao medicamento Fluoxetina? Descubra aqui como o elemento antidepressivo funciona e quando usá-lo!

Fluoxetina, medicamento também conhecido como Prozac, comercialmente, trata-se de uma substância antidepressiva que se relaciona à categoria de inibidores que se destacam por selecionar a recaptação do elemento de serotonina.


Ainda que tenha a classificação como uma substância antidepressiva, o medicamento da Fluoxetina é também utilizada para diversos distúrbios, bem como:

  • transtornos obsessivo-compulsivo;
  • bulimia provocada pelo nervosismo;
  • síndrome do pânico.

As nomenclaturas deste cloridrato da Fluoxetina correspondem a:

  • Depress;
  • Daforin;
  • Digassim;
  • Prozac;
  • Fluxene;
  • Prozen;
  • Psiquial;
  • Psipax;
  • Verotina S.

Indicações da Fluoxetina

Fluoxetina

A Fluoxetina é recomendada aqueles que estão em tratamento contra a depressão, que apresenta ou não a associação à ansiedade; transtornos bulímicos e obsessivo-compulsivo – TOC, bem como disfórico pré-menstrual. Inclui também questões relacionadas a tensão de pré-menstruação, disforias e irritabilidade.

A forma como a medicação atua é a mesma de qualquer outra substância antidepressiva inibidora seletiva de recaptação do elemento de serotonina. Esta é um composto neurotransmissor – é responsável pela ação comunicativa relacionada aos neurônios.

O elemento de serotonina atua em relação a regulagem do humor, emoção, apetite e sono. Os graus em redução do elemento de serotonina presente no sistema nervoso é passível de gerar depressões relacionadas ao humor, modificações comportamentais, bem como ser a causa de distúrbios do apetite e do sono.

Trata-se de um medicamento com função antidepressiva que pode, também, ter utilidade para tratar a fibromialgia de forma auxiliar.

Apresentações da Fluoxetina

  • Elementos gelatinosos em cloridrato de Fluoxetina composto por 10mg;
  • Caixas compostas por 20 pequenos recipientes medicamentosos.
  • Pílulas revestidas de Fluoxetina em 20mg;
  • Caixas compostas por 20 e 30 pílulas.
  • Solução via oral – 20mg/ml – frascos com conta gotas compostos por 20ml.

Utilização oral e adulta.

Efeitos da Fluoxetina

A ação colateral comumente destacada pelos pacientes que fizeram uso do medicamento em questão corresponde a:


  • sexualidade disfuncional;
  • disfunção erétil;
  • ausência da libido;
  • dificuldades ejaculatórias;
  • condições ruins que acometem o estômago;
  • ausência do apetite;
  • ausência de força;
  • rosto avermelhado;
  • bocejos excessivos;
  • sinais de febre;
  • sonhos esquisitos;
  • dores na garganta;
  • irritação da pele;
  • nervosismo;
  • ansiedade;
  • sono excessivo;
  • secura da boca;
  • tremor;
  • diarreias;
  • náusea;
  • sinusite.

Busque o auxílio médico e consulte imediatamente o seu especialista em casos de ações colaterais do medicamento, em questão. Outros sinais colaterais do remédio podem se destacar por:

  • pensamento suicida; desejo de morrer ou tentativas;
  • elevação extrema de atividade física e vontade excessiva de falar;
  • agressividade, raivas e uma mente violenta;
  • depressão ou ansiedade agravada;
  • irritação ou aumento de irritação;
  • feridas e hematomas com frequência;
  • agitação ou inquietação;
  • insônia;
  • palpitação;
  • pulso acelerado;
  • redução de horas de sono;
  • ausência da coordenação motora;
  • impulsividade e atitudes que representam perigo;
  • dificuldades em se concentrar;
  • vômitos, diarreias e náuseas;
  • instabilidade emocional;
  • dificuldades em memorizar;
  • exagero de reflexos;
  • ataque de pânico;
  • músculos rígidos;
  • dores de cabeça;
  • alucinação;
  • convulsão.

Contraindicações da Fluoxetina

A medicação é contraindicada em casos de indivíduos que estejam ou, ainda que tenham consumido em últimas quatorze datas, substâncias que se categorizem a inibidores de monoamina oxidase – IMAO. Alguns exemplos desses medicamentos correspondem a:

  • Fenelzina;
  • Tranilcipromina;
  • Isocarboxazida.

A substância da medicação, em questão, precisa ser usada cautelosamente em indivíduos diabéticos, em virtude apresentarem riscos maiores de hipoglicemias, e em pessoas que tenham patologias relacionadas a hepatite. A substância antidepressiva também precisa ser evitada em pessoas de crise maníaca, em razão do agravamento dos sinais.

A ingestão do álcool precisa ser evitada, em virtude de que ocorre a elevação dos riscos de ações colaterais.

Ainda que não tenha a total contraindicação, o elemento deve ser evitado em período gestacional e a mulheres que estão em fase de amamentação. Isto porque a substância pode ser trocada por outros medicamentos de maior segurança, a exemplo da Sertralina.

Dosagem e Modo de Usar

A Fluoxetina precisa ter a administração oral e pode ser consumida de forma independente das alimentações.

Em situação de o paciente deixar de consumir uma dosagem, é preciso fazer a ingestão do mesmo assim que haja a possibilidade.

Não consumir um quantitativo maior do que o recomendado para o dia.

Casos de Depressão

A dosagem indicada corresponde a 20mg por dia.

Casos de Bulimia Nervosa

A dosagem indicada corresponde a 60mg por dia.

Casos de Transtorno Obssessivo-Compulsivo

A dosagem indicada corresponde a 20mg a 60mg por dia.

Casos de Transtorno Disfórico da Pré-Menstruação

A dosagem indicada corresponde a 20mg por dia de administração contínua – ao longo dos dias do período menstrual – ou de forma intermitente – diariamente, iniciando quatorze datas anteriores a previsão do início menstrual, até a primeira data do ciclo.

Casos Gerais

A dosagem indicada pode ter o aumento ou redução. Dosagem maior que 80mg ao dia não tiveram uma análise sistemática.

Fluoxetina Emagrece?

O medicamento em questão pode causar modificações em relação ao peso, tanto para mais quanto para um quantitativo menor. Ambas as situações têm o costume de ter ligação ao controle de ansiedade e de depressão. Grande parte dos que sofrem da depressão ou de crises de pânico costumam perder a vontade de comer e acabam emagrecendo.



De acordo com a medicação e suas ações, a ansiedade e a depressão vão se controlando e essa vontade volta. Portanto, o indivíduo passa ganhar o peso.

A oposição da situação também é uma realidade. Ingerir de forma exagerada a alimentação também pode se destacar como um sinal da patologia de Psiquiatria, que acaba por ser tratada de acordo com a ação medicamentosa.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.