Fenobarbital: Para Que Serve e Como Usar

Quer conhecer mais sobre o Fenobarbital e para que fins ele é utilizado? Siga o texto e compreenda os seus benefícios e contraindicações, antes de usá-lo!

O Fenobarbital é um medicamento psicotrópico com ação anticonvulsivante, sedativa e hipnótica. Muito conhecido pelo nome de referência Gardenal, é usado para a prevenção do surgimento das convulsões em pessoas epilépticas.


Em razão do Fenobarbital ser um remédio genérico, possui o mesmo nome do seu princípio ativo. Entretanto, além do Gardenal, nome de referência, possui algumas nomenclaturas comerciais similares, tais como:

  • Barbitron;
  • Carbital;
  • Garbital;
  • Edhanol.

Fenobarbital

Indicações do Fenobarbital

Fenobarbital é um medicamento com ação sedativa, hipnótica e anticonvulsivante. É uma substância barbitúrica com elementos anticonvulsivantes, em virtude de ser capaz de aumentar o limiar das convulsões.

Tal remédio atua diretamente no sistema nervoso do organismo, e é usado para a prevenção do surgimento de convulsão em pessoas epiléticas ou que apresentem crises de convulsões, em virtude de outros desencadeadores.

Apresentações do Fenobarbital

  • Pílulas que apresentam 50mg da substância em questão – caixas com 20 comprimidos.
  • Pílulas que apresentam 100mg da substância em questão – caixas com 20 comprimidos.
  • Substância via oral a partir de frasco de 20mL.

Utilização pediátrica – solução oral.

Utilização adulta – comprimidos.

Efeitos

A ação colateral do Gardenal faz a inclusão dos seguintes sinais que podem acometer o organismo, a partir de:


  • sono excessivo;
  • muita dificuldade para acordar;
  • muita dificuldade para falar;
  • condições ruins de equilíbrio;
  • condições ruins de coordenação;
  • tonturas em excesso;
  • dores de cabeça intensas;
  • lesão avermelhada pela pele;
  • síndrome de Stevens-Johnson;
  • hepatite;
  • dores nas articulações;
  • anemia megaloblástica;
  • distúrbios relacionados ao humor;
  • patologias relacionadas aos ossos;
  • náuseas, enjôos;
  • vômitos;

Ainda, é possível que, se o paciente tiver que utilizar o Fenobarbital por muito tempo, em tratamentos prolongados, o medicamento cause a dependência.

Contraindicações do Fenobarbital

A contraindicação absoluta deste medicamento, beira as seguintes situações:

  • porfiria;
  • insuficiência severa da respiração;
  • insuficiência dos rins e hepatite grave;
  • hipersensibilidade chamada de barbitúricos;
  • utilização de saquinavir;
  • utilização de ifosfamida;
  • interação com outros medicamentos;

A contraindicação que se refere ao consumo da substância, em questão, é de:

  • utilização do álcool;
  • utilização de estrógenos;
  • utilização de progestogênio usados de forma contraceptiva.

É imprescindível também evitar o uso em período de lactação. Além disso, o remédio tem contraindicação para uso em indivíduos que apresentem insuficiência severa da respiração, rins e hepatites, bem como porfiria e público feminino que esteja amamentando.

Todo e qualquer medicamento deve ser prescrito por um médico especialista. Não consuma nenhum remédio psicotrópico sem o auxílio e orientação de um profissional da área.

Modo de Usar e Dosagem

A utilização do Gardenal corresponde aos seguintes modos:

  • uso adulto – 2 a 3mg por kg e dia; dosagem única ou em frações; a partir de gotas ou pílulas;
  • uso infantil – 3 a 4mg por kg e dia; dosagem única ou em frações, somente em gotas.

O teor de excelência deste tratamento, bem como a análise de ajustes da dosagem precisam ser realizados depois de duas semanas em que se está tratando a condição, em questão.

Ainda, a dosagem do Gardenal precisa de redução em público de faixa etária idosa, alcoólatras e pessoas que apresentem funcionalidade dos rins comprometidas, além da hepatite.

Fenobarbital é o Mesmo Que Gardenal?

Sim. Trata-se da substância que compõe o nome comercial Gardenal. É o mesmo elemento, porém poucos conhecem o produto como Fenobarbital. É imprescindível o cuidado excessivo com medicamentos anticonvulsivantes.

Isto porque estes remédios são usados de forma específica para tratar epilepsias – patologia relacionada ao sistema nervoso a partir de crises de convulsão.

Geralmente, e sem que isso tenha dependência de medicamentação, é possível que os filhos de pessoas epiléticas apresentam 2 a 3 vezes mais chances de ter anomalia congênita do que aqueles ditos normais. Esta condição é comprovada em virtude da patologia base.

Uma substância anticonvulsiva é um tipo de fármaco usado para que se previna e trate crises de convulsão e epilepsia, neuralgia, bem como tratar transtornos relacionados ao humor, ciclotimia e transtorno de bipolaridade.

Elementos anticonvulsivos atuam como supressores céleres das sinapses excessivas, de maneira a resfriar o organismo em possíveis crises, intuindo-se o salvamento neural, estabilizando o humor e controlando a ansiedade.

Existem diversas questões e estudos para as substâncias anticonvulsivas, a partir de elementos gordurosos, com derivação da frutose, triazinas, ureias, valprolamidas e afins.

Não deixe de consultar um profissional que realmente entenda do assunto para verificar a condição patológica em que você se encontra e que possa prescrever o medicamento adequado a seu caso.

A automedicação pode trazer graves riscos à saúde orgânica, bem como mental. Portanto, quaisquer elementos relacionados a potencialidade mental devem ser pesquisados de forma íntegra antes de ser consumido.



O consumo excessivo da medicação pode causar problemas ainda mais graves. Evite o excesso.

Saúde é essencial para uma qualidade de vida que te permita viver bem. Por isso, não esqueça de consultar os especialistas da Medicina e de fazer exames periódicos!

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.