Alektos: Bula, Para Que Serve, Como Usar, Contraindicações

Confira as informações sobre o medicamento Alektos e todas as indicações e contraindicações de seus compostos. Saiba como usar e tire dúvidas sobre possíveis questionamentos.

O Alektos é uma medicação que apresenta a bilastina em seus componentes. Trata-se de uma substância anti-histamínica de 2ª geração, que demonstra ação de teor anti-inflamatório.


A substância da bilastina é um elemento inovador que alcança o mercado com indicação para:

  • urticária;
  • rinite alérgica.

Trata-se de uma medicação de última geração que disponibiliza um anti-histamínico potente, seguro e eficaz.

Alektos

Alektos: Quais suas Indicações?

A medicação é reservada para tratar os sinais de:

  • rinoconjuntivite alérgica;
  • congestão nasal;
  • espirros;
  • coceiras;
  • olhos avermelhados;
  • urticária crônica;
  • manchas e alergias da pele.

Apresentações do Alektos

O Alektos é comercializado pela seguinte apresentação:

  • Comprimidos

Cartelas com 4 comprimidos de 20mg;

Caixa com 15 e 30 comprimidos de 20mg.

Utilização Oral, Adulta e Pediátrica, a partir de 12 anos. 

Efeitos Colaterais do Alektos

Algumas das ações colaterais podem fazer a inclusão dos seguintes sintomas:

  • dores de cabeça;
  • sono;
  • tonturas;
  • zumbidos;
  • falta de ar;
  • vertigem;
  • desconforto nasal;
  • secura da boca;
  • dores estomacais;
  • náusea;
  • inflamações de parede estomacal;
  • problemas digestórios;
  • herpes oral;
  • coceira;
  • cansaço;
  • febre;
  • ansiedade;
  • corpo fraco;
  • modificação em exames sanguíneos;
  • irregularidade do batimento cardíaco.

Contraindicações do Alektos

A medicação, em questão, não pode ser usada em situação que o paciente seja hipersensível à bilastina ou outros elementos presentes na composição. A contraindicação é para indivíduos menores que a faixa etária de 12 anos. 


Gravidez e Amamentação

Não pode ser usado pelo público feminino em período gestacional sem que haja a recomendação médica.

O elemento da Bilastina não pode ter a administração para grávidas e mulheres que estejam amamentando, a não que haja a necessidade, visto que nestas situações a condição medicamentosa tem limitação. 

Consumo Com Alimentos

O produto não pode ter o consumo com quaisquer bebidas ou alimentos, em virtude da ação que pode ser reduzida. A fim de que evite tal condição, é possível que:

  • Administre a pílula e espere por 60min antes de consumir sucos ou alimentos.
  • Se já tiver consumido algum suco ou alimento, espere por duas horas até fazer a ingestão do medicamento.

Interação Por Medicamento

A medicação não pode ser administrada junto de algumas medicações ou elementos que não tenham a recomendação médica. Exemplos destas substâncias são:

Como Usar o Alektos?

A recomendação habitual é que o paciente consuma uma drágea do medicamento de 20mg por dia, numa dosagem única, 1h antes ou 2h após o consumo de bebidas e alimentos, incluindo sucos.

O medicamento apresenta uma linha divisória que pode ter uso para repartir o comprimido, em caso de problemas em momento de engolir pílulas.

A medicação, em questão, deve ser consumida no início das manhãs, sem que tenha ingerido alimentos, 1h ou 2h antes de qualquer consumo de bebidas ou alimentos, incluindo sucos de frutas.

Os medicamentos precisam ser consumidos em conjunto de um copo de água em quantitativo suficiente para que se facilite degluti-lo.

O período do tratamento em situações de urticária ou rinoconjuntivite alérgica depende dos possíveis sinais clínicos, devendo ter o acompanhamento médico.

Seguir as recomendações do clínico, em respeito aos períodos, dosagens e duração do tratamento é imprescindível. É importantíssimo não interromper o tratamento. Se for o caso, consulte o seu médico!

Alektos dá Sono?

Sim, o medicamento pode provocar sonolência, visto que este sintoma é uma das reações adversas da substância antialérgica.

Alektos é Bom para Rinite?

O elemento da bilastina, que tem comércio em nosso país, é caracterizado como uma das substâncias ideais para tratamentos de rinites e que necessitam de anti-histamínicos.

Não há, em grande parte dos casos, interação medicamentosa ou com bebidas alcoólicas e não provoca a sedação, de modo a permitir que o indivíduo mantenha uma rotina, sem que haja interferência nas tarefas habituais como o trabalho e direção de transportes.

Além desses aspectos, em virtude de que o medicamento não tem o metabolismo através do fígado, não é necessário um ajuste de dosagem para aqueles que possuem insuficiência hepática e, também, não causa modificação do batimento cardíaco.

De acordo com diversas pesquisas relacionadas a substância da bilastina, esta alternativa tem representado muitos benefícios ao tratamento dos pacientes com as condições mencionadas anteriormente. 

Quem, por exemplo, apresenta um quadro de urticárias crônicas ou de rinite alérgica, dispõe de um problema maior que correspondem a ações adversas da medicação anti-histamínica que pode prejudicar o seu dia-a-dia. 

A composição que apresenta a bilastina, portanto, revela um ótimo resultado, com segurança, favorecendo o teor qualitativo da vida do paciente por um preço mais acessível.


Observação

A automedicação pode causar riscos gravíssimos à saúde, podendo desencadear quadros ainda mais preocupantes sobre a situação atual do indivíduo.


Por isso, antes de fazer uso de qualquer um dos medicamentos químicos, lembre-se de consultar o seu médico especialista. Só ele poderá receitar o melhor medicamento para a sua condição clínica.