Microdiol – Bula, O Que é, Indicações e Contraindicações

Microdiol é um anticoncepcional bastante conhecido e fabricado pelo laboratório Schering-Plough, disponibilizado no formato de comprimidos.

Para saber detalhes sobre as indicações, contraindicações e efeitos colaterais desse fármaco, confira nosso artigo.


Para Que Serve o Microdiol?

Microdiol consiste em um medicamento anticoncepcional. Logo, atua na prevenção da gravidez e também contribui para o equilíbrio hormonal do organismo feminino.

Microdiol

Como o Microdiol Age?

Cada comprimido de Microdiol possui uma quantidade pequena de dois distintos tipos de hormônios femininos, que são o estrogênio (etinilestradiol) e o progestagênio (desogestrel).

Devido às quantidades pequenas desses hormônios, esse medicamento é classificado como um contraceptivo de dose baixa, sendo capaz de evitar a gravidez sem oferecer tantos riscos ao organismo.

Composição do Medicamento

Cada comprimido de Microdiol contém as seguintes substâncias:

  • Desogestrel (substância ativa)
  • Etinilestradiol (substância ativa)
  • Povidona (excipiente)
  • Dióxido de silício (excipiente)
  • Estearato de magnésio (excipiente)
  • Lactose (excipiente)
  • Ácido esteárico (excipiente)
  • Amido (excipiente)

Contraindicações do Microdiol

Microdiol, assim como grande parte dos anticoncepcionais, apresentam contraindicações que precisam ser consideradas com atenção antes de iniciar o tratamento.

Por esse motivo, durante a consulta com o médico, é necessário informar todos os problemas/doenças existentes e se a paciente faz uso de outros tipos de medicamentos. Vejamos agora em quais casos o Microdiol não é recomendado.

  • Mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez;
  • Ocorrência atual ou anterior de distúrbios relacionados à circulação sanguínea, tais como trombose, embolia pulmonar, ataque cardíaco ou formação de coágulos em demais regiões do corpo;
  • Ocorrência atual ou anterior de derrame cerebral;
  • Presença de condições que são consideradas sinais iniciais de um ataque cardíaco (ex.: dores no peito, taquicardia, angina);
  • Presença de condições que são consideradas sinais iniciais de um derrame (ex.: crise isquêmica transitória);
  • Ocorrência atual ou anterior de câncer que pode ter sido provocado pela influência dos hormônios sexuais (câncer de mama ou no aparelho genital);
  • Diagnóstico de diabetes mellitus acompanhada de alterações nos casos sanguíneos;
  • Ocorrência atual ou anterior de inflamação no pâncreas (pancreatite) acompanhada de níveis excessivos de substâncias gordurosas no sangue;
  • Pessoas que apresentam pele ou olhos amarelados (icterícia);
  • Diagnóstico de doenças graves no fígado;
  • Ocorrência atual ou anterior de enxaqueca acompanhada com desconfortos visuais, dificuldades para falar, dormência em alguma área no corpo ou fraqueza;
  • Ocorrência atual ou anterior de tumor no fígado (benigno ou maligno);
  • Presença de sangramento vaginal sem causas identificadas;
  • Propensão alérgica aos princípios ativos contidos nesse medicamento ou a qualquer um dos componentes da fórmula (excipientes).

Caso alguma dessas condições apareça pela primeira vez enquanto a paciente estiver usando Microdiol, é necessário suspender o tratamento imediatamente e consultar o médico para avaliar outras alternativas de medicamento (geralmente um anticoncepcional não hormonal) de acordo com o quadro clínico da paciente.

Obs.: somente o médico pode recomendar outra alternativa de anticoncepcional, mesmo no caso dos medicamentos não hormonais.


Efeitos Colaterais do Microdiol

Microdiol pode acarretar alguns efeitos colaterais. A ocorrência desses efeitos, em maior ou menor intensidade, depende do tempo de uso do medicamento e principalmente das condições particulares de cada organismo. Vejamos quais são esses efeitos.

Efeitos Comuns/Incomuns (afetam mais de 1 em 1000 usuárias desse medicamento)

  • Náuseas e/ou vômitos;
  • Diarreia;
  • Dores abdominais;
  • Aumento do peso;
  • Retenção de líquido (inchaço);
  • Dores de cabeça e/ou enxaqueca;
  • Diminuição do desejo sexual;
  • Quadros depressivos;
  • Alterações no humor;
  • Sensibilidade ou dor nas mamas;
  • Aumento das mamas;
  • Vermelhidão na pele;
  • Crises de urticária;
  • Alterações na secreção vaginal.

Efeitos Raros (afetam menos de 1 em 1000 usuárias desse medicamento)

  • Reações alérgicas (sobretudo no caso de pacientes predispostas a essa condição);
  • Perda de peso;
  • Intolerância a lentes de contato;
  • Presença de secreção nas mamas;
  • Aumento do desejo sexual;
  • Presença de secreção vaginal;
  • Doenças na pele, tais como eritema multiforme e eritema nodoso.

Ao observar um ou mais desses efeitos colaterais, é preciso suspender o uso do medicamento e procurar o médico. Isso é ainda mais necessário caso essas reações sejam mais graves, intensas ou frequentes.

Obs.: o aparecimento de alguns efeitos colaterais é mais comum logo nos primeiros meses de tratamento e geralmente desaparecem com o passar do tempo. Caberá ao médico estabelecer novas alternativas de tratamento caso a paciente apresente efeitos colaterais permanentes ou que comprometam a saúde.

Por Que Consultar o Médico?

Toda mulher precisa contar com o acompanhamento periódico de um ginecologista, principalmente aquelas que utilizam algum medicamento hormonal.

O motivo é que o equilíbrio hormonal feminino pode apresentar alterações e esses efeitos precisam ser acompanhados com a finalidade de evitar problemas futuros.

Além disso, consultas e realização de exames anuais ou com a frequência determinada pelo médico são fundamentais para prevenirem diversos tipos de doenças nas mamas ou aparelho genital.

Um acompanhamento médico mais detalhado também é indispensável no caso das mulheres que desejam engravidar, já que é preciso suspender o uso do anticoncepcional e iniciar um processo de tratamento diferenciado que favoreça a gravidez.

Ações Que Ajudam no Tratamento

Além do uso de Microdiol, para que as mulheres mantenham a saúde hormonal em dia, é essencial:

Cuidar da Alimentação

Vários tipos de alimentos que consumimos, sobretudo leite, carnes e frango contêm alta concentração de hormônios e tais alimentos (principalmente em exagero) podem exercer grande influência no organismo feminino.

Por isso, o ideal é que as mulheres valorizem uma alimentação mais natural, se possível com itens orgânicos e que também reduzam o consumo de frango e carne vermelha.

Cuidar da Qualidade do Sono

O equilíbrio hormonal feminino depende também da qualidade do sono, já que é durante essas horas de descanso que o corpo libera uma série de substâncias hormonais que atuam na saúde como um todo.


O sono de qualidade é fundamental para a saúde dos hormônios tireoidianos, dos hormônios sexuais e demais substâncias que atuam no bom funcionamento do cérebro e do organismo como um todo.


Após saber sobre o Microdiol, compartilhe esse conteúdo com demais mulheres para que elas também fiquem bem informadas quanto aos cuidados que devem ser seguidos ao ingerir esse medicamento e saibam como cuidar da saúde hormonal no dia a dia.

Para que os medicamentos possam ser comercializados, eles devem ser registrados na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Em casos de dúvida, verifique no portal da Agência em “Consulta de Produtos”, pois pode ser um medicamento irregular ou falsificado.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.