Doxiciclina: Saiba para que é Indicado, Composição, Contraindicações e Muito Mais

Doxiciclina é uma medicação que alivia sintomas desagradáveis e combate processos infecciosos em diversas regiões do corpo. É recomendado para o uso oral por adultos e crianças a partir de 8 anos de idade.

Para Que Doxiciclina Está Indicada?

Doxiciclina

O Cloridrato de Doxiciclina – geralmente chamado apenas de Doxiciclina – tem um amplo uso no tratamento de doenças infecções. Entre elas:


  • Febre das Montanhas Rochosas;
  • Infecção respiratória;
  • Febre Q;
  • Febre tifoide;
  • Febre do carrapato;
  • Varíola;
  • Psitacose (doença que atinge os pulmões, causando febre e infecções);
  • Linfogranuloma venéreo (hipertrofia de gânglios linfáticos);
  • Uretrite não complicada;
  • Tracoma (infeção ocular);
  • Infecções no reto em adultos;
  • Endocervicite;
  • Alguns tipos de amebíase;
  • Casos graves de acne;
  • Conjuntivite de inclusão;
  • Orquiepididimite aguda (infecção que afeta os testículos);
  • Malária;
  • Cólera;
  • Granuloma inguinal (infecção cutânea genital e perineal);
  • Sífilis;
  • Leptospirose;
  • Carbúnculo (infecção na pele);
  • Fases iniciais da Doença de Lyme (infeção transmitida por carrapatos, que atinge a corrente sanguínea);
  • Febre recorrente transmitida por piolhos;
  • Febre recorrente transmitida por carrapatos; entre outras.

O medicamento inibe a síntese, a proliferação e o desenvolvimento de diversas bactérias, ocasionando a morte dos agentes.

Apresentação e Composição

Doxiciclina é apresentada em comprimidos solúveis de 100 mg. É comercializado, em geral, em embalagens contendo 15 ou 20 cápsulas.

Cada comprimido da medicação contém 104,1 mg de Cloridrato de Doxiciclina monoidratada. Além dos excipientes: amidoglicolato de sódio, celulose microcristalina, povidona, óleo vegetal hidrogenado, estearato de magnésio e dióxido de silício.

Como Usar Doxicilina?

O medicamento não possui um esquema pré-determinado de uso. As dosagens, horários e duração do tratamento depende da doença, da resposta do paciente à medicação e, em especial, da prescrição médica.

No entanto, as dosagens mais indicadas pelos médicos são:

Tratamento de Pacientes Adultos

A dosagem mais comum da medicação é de 200 mg no primeiro dia do tratamento, a cada 12 horas. Já no tratamento de manutenção dose é reduzida para 100 mg ao dia.

Para tratar infecções graves, como aquelas que afetam o trato urinário, indica-se doses de 200 mg ao dia durante todo o tempo de tratamento, inclusive na fase de manutenção.

Tratamento de Pacientes entre 8 anos e 17 anos de idade

Para crianças que pesem até 45 kg, está indicada a dose de 4,5 mg por quilo. Doxiciclina pode ser ingerida em dose única ou dividido em duas tomadas.

Para o tratamento de manutenção costuma-se reduzir a dose do medicamento para 2,2 mg por quilo – em uma única tomada ou dividida em 2.


Já infecções mais graves não requerem a redução da dosagem na fase de manutenção de tratamento. A dose continua a mesma durante todo o processo, conforme quantidades citadas acima.

Efeitos Colaterais da Medicação

Doxiciclina, por ser um medicamento que tem sua ação considerada forte, pode ocasionar diversos efeitos colaterais no usuário.


No entanto, os efeitos mais graves são raros de acontecer – assim torna o tratamento com a medicação possível de ser realizado até a remissão da doença apresentada pelo paciente.

Entre os efeitos colaterais que o uso do medicamento pode causar estão:

  • Anemia hemolítica;
  •  Neutropenia (alterações nas plaquetas do sangue);
  •  Eosinofilia (alterações nas plaquetas do sangue);
  •  Trombocitopenia (alterações nas plaquetas do sangue):
  •  Hipersensibilidade;
  •  Alterações no sistema imunológico;
  •  Dispneia;
  •  Pressão baixa;
  •  Taquicardia;
  •  Urticária;
  •  Despigmentação da glândula tireoide;
  •  Inchaços pelo corpo;
  •  Dor de cabeça;
  •  Redução do apetite;
  • Labirintite;
  • Elevação benigna da pressão intracraniana;
  • Zumbido no ouvido;
  •  Alterações na audição;
  •  Náuseas;
  •  Rubor facial;
  •  Azia;
  •  Vômitos,
  •  Colite;
  •  Pancreatite;
  • Esofagite;
  • Formação de úlcera;
  • Dor abdominal;
  •  Lesões inflamatórias no trato gastrointestinal;
  •  Alterações nas funções do fígado em geral;
  • Diarreia;
  •  Fotossensibilidade cutânea;
  • Hepatite;
  •  Dermatites;
  • Erupções na pele;
  •  Mialgia (dores pelo corpo);
  •  Elevação da ureia no sangue; entre outras manifestações, mas que não costumam resultar na interrupção do tratamento com o remédio.

Quais as Contraindicações?

Doxiciclina se trata de um medicamento que possui poucas contraindicações. As principais delas são:

  • Pessoas que sofram de reações alérgicas a classe de medicamentos tetraciclinas – que é o caso dessa medicação;
  • Mulheres gestantes ou com suspeita de gravides, sem prévia autorização médica;
  • Mulheres em fase de aleitamento materno sem prévia autorização médica, pois as substâncias da fórmula correm o risco de serem excretadas no leite materno;
  • Pacientes com menos de 8 anos de idade.

Interações Medicamentosas

Como todo medicamento, o uso de Doxiciclina pode interagir com outros remédios, alterando a eficácia do remédio e impactando no tratamento.

Não se recomenda usar o medicamento com as substâncias abaixo – salvo com autorização médica:

  • Contraceptivos orais;
  • Antibióticos em geral;
  • Penicilina;
  • Antiácidos que contem com cálcio, ferro, alumínio e outros nutrientes na fórmula;
  • Barbitúricos,
  • Álcool;
  • Fenitoína;
  • Carbamazepina;
  • Tetraciclinas em geral;
  • Metoxiflurano.

Como Proceder na Superdosagem?

Caso o paciente ingira doses maiores do que as indicadas de Doxicilina, possivelmente, ele apresentará os efeitos colaterais do medicamento de maneira mais exacerbada.


No entanto, se a dose ingerida for realmente muito superior, o paciente deve ser levado o quanto antes a um serviço de atendimento médico. Se possível, levar junto a bula ou a embalagem do remédio e informar a quantidade ingerida da medicação pelo paciente.

Caso o paciente em superdosagem não puder ser locomovido e apresente sintomas, recomenda-se ligar imediatamente para o SAMU, pelo número de telefone 192 (ligação gratuita e atendimento 24 horas).