Dexametosona: Para Que Serve e Como Utilizar

A Dexametasona se trata de uma medicação indicada para tratar sintomas de diversos tipos de problemas inflamatórios, como distúrbios reumáticos, artríticos, cutâneos, glandulares, pulmonares, oculares, sanguíneos e gastrointestinais.

Como Age a Dexametosona

A Dexametasona é um medicamento do tipo sintético glicocorticoide amplamente usado pela sua alta eficácia como anti-inflamatório. Mesmo se administrado em doses baixas, o medicamento tem um efeito anti-inflamatório alto, embora o seu metabolismo eletrolítico seja leve.


Dexametasona é indicado, principalmente, para aliviar os sintomas incômodos de afecções inflamatórias e alérgicas, que respondam bem aos medicamentos do tipo glicocorticoides.

Dexametasona

Modo de Usar

A posologia de Dexametasona deve ser, primeiramente, aquela recomendada pelo seu médico. Não há uma indicação pré-estabelecida do uso do medicamento. As doses irão depender do quadro do paciente e da sua resposta ao uso da medicação.

No entanto, em geral, as doses para aliviar os sintomas das doenças tratadas pelo medicamento podem ir de de 0,75 mg a 15 mg por dia.

Como Proceder Caso se Esqueça de Tomar o Medicamento

No caso de o paciente se esquecer de tomar o comprimido de Dexametasona, ele deve desconsiderar a dose esquecida. O tratamento deve ser retomado no próximo horário recomendado pelo médico.

Nunca compense o comprimido de Dexametasona esquecido, tomando-o quando lembrar.

Efeitos Colaterais

Dexametasona se trata de um medicamento, em geral, bem tolerado pela maioria dos pacientes. No entanto, como acontece como todos os medicamentos, alguns usuários podem sofrer efeitos colaterais. Entre os mais relatados (raros) estão:


  • Retenção de líquidos;
  • Aumento do peso corporal;
  • Leve elevação da pressão sanguínea arterial;
  • Aumento dos índices de açúcar e glicose no sangue, havendo a necessidade de aumentar medicamentos antidiabéticos em portadores de diabetes;
  • Risco aumentado para Osteoporose;
  • Aumento do apetite;
  • Possível desregulação do ciclo menstrual feminino;
  • Processos mais lentos de cicatrização cutâneas em geral;
  • Ocorrência de problemas na pele;
  • Inchaços nos lábios;
  • Inchaços na língua;
  • Risco de convulsões;
  • Possibilidade de problemas psicológicos, como alterações no humor (depressão, irritação, euforia, etc);
  • Alterações na capacidade de julgamento da pessoa;
  • Maior propensão para contrair infecções;
  • Sensação anormal de fraqueza e fadiga nos músculos;
  • Formação de úlcera gastrointestinal, entre outros.

Contraindicações da Dexametasona

Dexametasona é um medicamento contraindicado para portadores de infecções ocasionadas por fungos, pessoas que precisem tomar vacinas de vírus vivos durante o tratamento com a medicação, além de pacientes que apresente histórico de hipersensibilidade a sulfitos ou a quaisquer um dos componentes da fórmula de Dexametasona.

Advertências e Precauções

O paciente não pode deixar de relatar ao médico, antes de que Dexametasona seja receitada:

  • Caso esteja grávida;
  • Tenha suspeita de gravidez;
  • Esteja em fase de amamentação;
  • Ter mais de 65 anos de idade;
  • Ter menos que 18 anos de idade;
  • Caso tenha histórico de tuberculose ou suspeita de possuir a doença;
  • Sofrer de insuficiência cardíaca ou suspeitar que possua o problema;
  • Ter níveis mais elevados que os adequados de açúcar no sangue;
  • Ser portador de diabetes do tipo 1 ou 2;
  • Sofrer de pressão arterial sanguínea alta;
  • Possuir úlceras estomacais ou outros males digestivos;
  • Ter histórico de sarampo;
  • Ter histórico de catapora;
  • Informar qualquer outro medicamento que esteja usando.

Tais informações são importantíssimas para que o médico possa receitar a Dexametasona com segurança para o paciente.

Além disso, vale saber que durante o tratamento com a medicação é necessário cautela ao dirigir veículos e operar máquinas, devido a capacidade de atenção se tornar reduzida.

O tratamento com Dexametasona também pode causar alguns problemas de ordem psicológica no paciente, como alterações no seu humor (depressão, irritabilidade, euforia, nervosismo, etc), além de poder reduzir a capacidade de julgamento do usuário.

Jamais o tratamento com a deve ser interrompido sem o conhecimento do médico, isso pode ser perigoso para a saúde do paciente.

Ainda devem ser respeitadas as indicações do médico responsável quanto às doses, os horários e à duração do tratamento com a Dexametasona.

Composição

Cada comprimido revestido contém 0,5 de Dexametasona. Além dos excipientes inativos: lactose, celulose microcristalina e estearato de magnésio.

Já a solução oral do medicamento contém 0,1 mg de Dexametasona. Além dos veículos inativos: ácido benzoico, sacarina sódica, corante vermelho ponceaux, glicerol, água de osmose reversa e aroma de cereja.

Interações Medicamentosas de Dexametasona

A medicação não deve ser administrada de forma concomitante, sem autorização do médico – com substâncias como:

  • Ácido acetilsalicílico;
  • Talidomida;
  • Medicamentos que agem no sistema nervoso central;
  • Antiepilépticos;
  • Antifúngicos em geral;
  • Antibióticos em geral;
  • Anticoagulantes;
  • Inibidores de protease do HIV;
  • Diuréticos;
  • Anti-hipertensivos.

É de extrema importância que o paciente informe o médico, caso esteja usando essas ou outras medicações.


Superdosagem Com Dexametasona

Caso o paciente ingira doses maiores do que as recomendadas, ele deverá ser levado imediatamente a um serviço de pronto atendimento médico. Levar a embalagem da medicação, se possível.


Quando não há possibilidade de deslocar o paciente, entrar em contato com SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) – cujo telefone pé 192 para todo o país e a ligação pode ser feita de qualquer aparelho telefônico, incluindo aparelhos de telefone celular.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.