Microvlar: Para Que Serve, Como Usar e Quais as Suas Contraindicações?

Microvlar é um contraceptivo oral, para ser tomado todos os dias. É ideal para aquelas mulheres que não desejam engravidar e não apresentam o problema de se esquecer de tomar a pílula todos os dias. Usado corretamente, esse anticoncepcional tem eficácia superior a 99% contra gravidez.

Apresentação e Composição de Microvlar

Microvlar

O medicamento é apresentado em comprimidos revestidos pequenos, contendo dois tipos de hormônios:


  • Etinilestradiol (0,03 mg);
  • Levonorgestre (0,15 mg).

Além dos excipientes: amido, lactose, talco, povidona, estearato de magnésio, macrogol, sacarose, glicerol, carbonato de cálcio, pigmento de óxido de ferro amarelo, dióxido de titânio e cera montanglicol.

Cada embalagem do contraceptivo vem com 21 pílulas.

Modo de Usar

Para evitar a gravidez, a mulher deve seguir exatamente o esquema proposto pelo contraceptivo – caso contrário, a medicação pode falhar e uma gestação indesejada pode vir a ocorrer.

O 1º comprimido revestido de Microvlar deve ser tomado no 1º dia do ciclo menstrual da mulher. Todos os dias posteriores, é necessário tomar 1 comprimido, no mesmo horário.

Assim que os 21 comprimidos contraceptivo acabarem, a mulher deverá passar pelo período de pausa de 7 dias. Durante esse tempo, provavelmente, a mulher irá menstruar.

Quando os 7 dias de pausa terminarem, uma nova cartela do anticoncepcional com 21 comprimidos deve ser reiniciada.

Vale ressaltar que, caso a mulher vomite depois de 3 ou 4 horas de tomar Microvlar, ela deverá ingerir um novo comprimido.

Esqueci de Tomar o Microvlar. E Agora?

A eficácia da pílula não costuma sofrer alteração, caso a usuária esqueça de tomar a medicação por 1 dia. No caso de esquecimento, a mulher não deve tomar a medicação fora do horário, mas, sim, esperar o próximo dia para ingerir o anticoncepcional.

No entanto, caso a mulher esqueça de tomar o contraceptivo por mais de 1 dia ou tomá-lo em horários totalmente diferentes,  Microvlar pode sofrer alterações na sua eficácia e a ocorrência de uma gravidez não está descartada.

Nesses casos, para evitar uma gestação, a mulher deverá, juntamente, com o uso da pílula, manter relações sexuais com métodos de barreira, como o preservativo.

No mês seguinte, posterior ao que ocorreram os esquecimentos, a mulher iniciará uma nova cartela de Microvlar e, assim, não é será mais necessário o uso do preservativo. Caso a mulher, obviamente, passe a fazer o uso adequado da pílula.

Quais os Efeitos Colaterais?

Esse anticoncepcional costuma ser bem tolerada pelas usuárias. No entanto, como todos os medicamentos contraceptivos, algumas mulheres podem apresentar efeitos colaterais com o uso da pílula. Entre esses efeitos estão:


Efeitos colaterais comuns (podem ocorrer entre 1 a 100 usuárias)

Dores abdominais, Ganho de peso corporal, Dor de cabeça, Sintomas de depressão, Alterações de humor, Sensibilidade nas mamas, Dores nas mamas.

Efeitos colaterais incomuns (podem ocorrer entre 1 e menos de 1.000 usuárias)

Diarreia, Vômitos, Enxaqueca, Retenção de líquidos no corpo, Erupções na pele, Redução da libido, Aumento das mamas.

Efeitos colaterais raros (podem ocorrer entre 1 e mais de 1.000)

Reações alérgicas, Redução do peso corporal, Intolerância ao uso de lentes de contato, Secreções vaginais, Eritema (vermelhidão na pelo). Secreções nas mamas, Aumento da libido.

Além disso, como Microvlar se trata de um COC, a usuária também está sujeita a desenvolver:


  • Problemas tromboembólicos nas artérias;
  • Problemas tromboembólicos venosos;
  • Acidentes vasculares cerebrais (AVC – derrame);
  • Hipertrigliceridemia (índices de triglicerídeos no sangue, acima do normal);
  • Desenvolvimento de tumores benignos ou malignos no fígado;
  • Intolerância ou resistência à glicose e à insulina;
  • Cloasma (melasma);
  • Aparecimento ou agravamento de problemas como: prurido, icterícia, lúpus, cálculos biliares, vermelhidão na pele, porfiria, Coreia de Sydenham (tipo de distúrbio neurológico) e síndrome hemolítico urêmica (insuficiência progressiva dos rins. Também podem ocorrer: colite ulcerativa otosclerose (aumento anormal nos ossículos do ouvido médio, que pode causar problemas ou mesmo a perda da audição), Câncer cervical, Doença de Crohn.

Vale saber que usuárias que tenham tendência hereditária a angioedema (edema na pele) podem ter o problema causado pelo uso do estrogênio – que faz parte da composição do contraceptivo.

Já o risco do surgimento do câncer de mamas em mulheres que fazem uso de COC é apenas ligeiramente maior em relação aquelas que não fazem uso desse tipo de anticoncepcional.


Mulheres fumantes e que têm mais de 35 anos também devem ter cautela ao fazer uso de anticoncepcionais combinados – como o Microvlar – pela maior chance de sofrer algum dos efeitos colaterais citados.

Todas as Mulheres Usar Microvlar?

Não. O uso desse método contraceptivo possui algumas contraindicações. Não devem fazer uso dessa pílula, por exemplo:

  • Mulheres com tendência a desenvolver trombose (coágulos no sangue);
  • Mulheres com histórico de doenças trombóticas/tromboembólicas (em arteriais ou em vasos) como: Embolia pulmonar, Trombose venosa profunda, Acidente vascular cerebral (derrame), Infarto do miocárdio;
  • Incidência constante de enxaqueca;
  • Mulheres com doenças graves ou problemas nas funções normais do fígado;
  • Pacientes com diabetes melitus;
  • Mulheres com problemas vasculares em geral;
  • Suspeita ou presença de neoplasias, principalmente, nas mamas ou nos órgãos genitais;
  • Histórico ou suspeita de tumores benignos ou malignos no fígado;
  • Presença de sangramentos vaginais sem diagnóstico;
  • Reações alérgicas a quaisquer um dos componentes da fórmula de Microvlar;
  • Suspeita ou confirmação de gravidez.
IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.