Mebendazol: Bula, Indicação, Efeitos Colaterais, Como Usar

Descubra Tudo Sobre o Mebendazol. Saiba Como Este Medicamento Funciona e Quais São Os Seus Efeitos Colaterais, Bem Como As Formas De Uso!

O Mebendazol é um elemento ativo que age de forma local, no lúmen intestinal, causando interferência na composição da tubulina das células do intestino de vermes por meio de associação determinada à tubulina.


Isto faz com que se provoque modificações degenerativas que ultraestruturam o intestino.

A partir disso, esta captação glicêmica e as funcionalidades digestivas do elemento verminoso têm interrupção de modo que aconteça um procedimento autolítico.

O efeito terapêutico deste elemento ativo têm início na primeira data do tratamento.

Mebendazol: Quais as Indicações?

Mebendazol

Como uma substância anti-helmíntica polivalente, de forma específica, é destinada a tratar infestação isolada ou mista, provocada pelos vermes:

  • Trichuris Trichiura;
  • Ascaris lumbricoides;
  • Ancylostoma duodenale;
  • Enterobius vermicularis;
  • Taenia solium;
  • Necator americanus;
  • Taenia saginata.

Apresentações do Mebendazol

Utilização oral, adulta e pediátrica.

  • Suspensão oral de 20 mg por ml; embalagem constituindo frasco de 30ml, em conjunto ao copo dosador.

Efeitos Colaterais do Mebendazol

Dentre as reações adversas do medicamento, podemos citar os seguintes:

  • transtornos gastrintestinais;
  • diarreia;
  • flatulências;
  • desconfortos abdominais;
  • transtornos da pele;
  • erupções cutâneas;
  • transtornos do sistema nervoso;
  • tontura;
  • convulsão;
  • dores abdominais;
  • transtornos hepato-biliares;
  • hepatite;
  • exantema;
  • urticária;
  • angioedema;
  • alopecia.

Contraindicações do Mebendazol

O elemento ativo tem contraindicação em público menor de um ano para tratar a massa de infestação gastrintestinal isolado ou misto. Além disso, o medicamento tem contraindicação em público hipersensível a substância ou elementos da fórmula.

O remédio tem contraindicação para o público pediátrico menor de um ano de idade.

Como Usar o Mebendazol?

Não há necessidade de seguir uma alimentação especial ou fazer uso de produtos que façam o estímulo da evacuação. Agitar bem a solução antes do uso.

Infestação por Nematódeos

  • 5ml do copo dosador, 2x por dia em período de três datas consecutivas, sem que dependa do peso e faixa etária;

Infestação por Cestódeos

  • 10ml do copo medida, 2x por dia em período de três datas consecutivas;
  • crianças devem ingerir 5ml do dosador, 2x por dia, em três datas consecutivas;

Menores de dois anos


Em virtude do risco de convulsão, o medicamento tem contraindicação em público menor de um ano para tratar a infestação gastrintestinal isolada ou mista.

Este elemento não teve, de forma extensiva, o estudo em público menor de dois anos. Por isso, o remédio deve ter uso a este público específico somente se houver benefício que justifique tal risco.

Precaução e Advertência do Mebendazol

A convulsão em público pediátrico, com a inclusão daquelas em idade menor a doze meses, tiveram relato de forma muito rara à pesquisa do pós-comércio com o produto.

Este medicamento não teve, de forma extensiva, o estudo em público pediátrico menor de dois anos de idade. Por isso, o remédio pode ter o uso em crianças da faixa etária entre um a dois ano, somente em caso de vantagens potenciais que justifiquem os riscos.

Para a redução dos riscos de engasgo, o elemento em suspensão oral precisa ter consideração ao público infantil que não tenha a capacidade de deglutir drágeas.

Aconteceram relatos de teor raro dos transtornos reversíveis da funcionalidade hepática, neutropenia e hepatite, com descrição pelos indivíduos que passaram pelo tratamento com a substância, de maneira a empregar dosagens que têm recomendação usuais para condição específica.

Tais situações também tiveram o relato com dosagens, de forma substancial, maiores que as indicadas e com tratamentos por longos períodos.

Mebendazol é Igual a Albendazol?

De mesma forma que o albendazol, este medicamento é uma substância anti-helmíntica pertencente a categoria benzimidazólica. O espectro do seu efeito se assemelha a este.

Contudo, há determinadas restrições como a ausência do efeito eficaz em combate ao Strongyloides stercoralis.


Trata-se de uma substância anti-helmíntica pertencente a categoria benzimidazólica. O antiparasitário é muito utilizada no exercício clínico em virtude da extensão da lista de vermes pelos quais há eficácia.

O albendazol apresenta a indicação para tratar infecção pelos vermes:

  • Ascaris lumbricoides;
  • Necator americanus;
  • Ancylostoma duodenale;
  • Echinococcus granulosus;
  • Ancylostoma brasiliense;
  • Enterobius vermicularis;
  • Ancylostoma caninum;
  • Trichuris trichiura;
  • Hymenolepis nana;
  • Strongyloides stercoralis;
  • Giardia lamblia;
  • Taenia spp;
  • Toxocara canis.

Dentre as nomenclaturas do comércio, os mais famosos se destacam como:

  • Parasin;
  • Zolben;
  • Mebenix;
  • Albentel;
  • Zolben;
  • Alben.

As reações adversas mais comuns do medicamento correspondem a:

  • dores abdominais;
  • náuseas;
  • aumento de enzimas hepáticas.

O remédio precisa ser evitado em período gestacional, com exceção extraordinária, pelas quais o especialista fará avaliação dos riscos de parasitoses relacionadas a gravidez – em casos que esta condição é maior que a substância.

O tiabendazol é outra substância anti-helmíntica, pertencente a categoria de benzimidazólicos. Atua de forma parecida ao mebendazol e albendazol.


Exceto pela falta do efeito em combate a taenia spp. Este elemento tem menor prescrição do que os dois remédios citados. Isto porque a substância pode causar reações adversas mais frequentes:

  • náuseas;
  • tontura;
  • dores abdominais;
  • diarreia;
  • boca seca;
  • formigamento;
  • fraqueza.

Atente-se à sua saúde: a automedicação pode causar sérios danos ao seu organismo. Não se automedique. Procure um médico e faça exames períodos.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.