Loperamida: Bula, Indicação, Efeitos Colaterais, Como Usar

Saiba Tudo Sobre o Medicamento Loperamida, Bem Como os Possíveis Efeitos Colaterais. Confira As Indicações, Contraindicações e Ainda As Formas de Uso Deste Remédio Que Deve Ter Prescrição Médica.

A Loperamida é uma medicação que trata os sintomas de diarreias. Confira as especificidades deste medicamente eficaz no combate de inflamações que resultam neste sintoma, em questão.

Loperamida: Quais as Indicações?

Loperamida

O cloridrato de Loperamida tem indicação para tratar os seguintes sintomas:

  • diarreia aguda inespecífica, sem a apresentação de infecção;
  • diarreia crônica espoliativa, com associação a patologia de inflamação como a Doença de Crohn e a retocolite ulcerativa;
  • ileostomias;
  • colostomias com excesso de perda de eletrólitos e água.

Apresentações do Loperamida

  • Drágeas de 2mg;
  • embalagem composta por 12 ou 200 drágeas.

Efeitos Colaterais do Loperamida

Os efeitos adversos estão destacados de forma comum ou rara, a partir de eventos considerados, de forma razoável, com associação da utilização do medicamento. A base destes fatores ocorrem a partir de análise global de informativos.

A relação de causa com o medicamento não pode ter uma segurança disponibilizada para situações particulares. Ainda, em virtude das pesquisas clínicas há a condução sob a condição diferenciada, de taxas de efeitos adversos observados em pesquisas clínicas do remédio.

Não pode ser de forma direta comparada a taxas com observação a demais pesquisas clínicas com demais remédios. 

  • tontura;
  • fadiga;
  • sono;

Estes são sintomas que podem acontecer em companhia da síndrome diarreica a partir do medicamento em drágeas. Por isso, a recomendação é ter cuidado na direção de veículos ou operação de máquinas.

Remédios

Pesquisas não-clínicas apresentaram que o medicamento é uma substância substrato de glicoproteína-P.

O consumo concomitante, em dosagem única de 16mg, acompanhada de Ritonavir ou Quinidina, trouxe os resultados de elevação de duas a três vezes nos graus do plasma da substância.

O teor de relevância clínica da interação deste fármaco com inibidores em conjunto do medicamento, em questão, usado nas dosagens indicadas não é conhecido.

Em conjunto do Itraconazol, o resultado foi a elevação de três a quatro vezes o grau plasmático da substância. Em mesma pesquisa, a Genfibrozila elevou o medicamento em uma média de 2x.

A ingestão do medicamento com Cetoconazol resultou em elevação de cinco vezes as concentrações de plasmas do medicamento. A elevação não teve associação com a elevação das ações farmacodinâmicas, medidas pela pupilometria.

Este tratamento com Desmopressina trouxe os resultados em elevação de 3x na concentração plasmática da substância, em questão, de forma provável em virtude ao menor movimento gastrointestinal.

Contraindicações do Loperamida

O medicamento, em questão, tem utilização exclusiva aos adultos. Não deve, por isso, ter uso em público pediátrico, de forma especial menores de 2 anos.

O remédio tem contraindicação para a diarreia que persista ou de teor agudo em crianças.

A medicação também é contraindicada para:

  • hipersensíveis aos princípios ativos ou quaisquer compostos;
  • indivíduos que apresentem disenteria aguda com características pelo sangue nas fezes e febre alta;
  • indivíduos que apresentem colite ulcerativa aguda;
  • indivíduos que apresentem enterocolite bacteriana provocada por elementos invasores, como a Shigella, Salmonella e Campylobacter;
  • indivíduos que apresentem colite pseudomembranosa com associação a utilização de substâncias antibióticas.

De modo geral, o medicamento não pode ter uso quando existe a inibição de peristaltismo. 

O uso deve ter suspensão rápida ao passo que ocorra distensão do abdomen, constipação ou íleo.

A contraindicação também acontece para as situações de dores abdominais que não apresentam diarreia.

Precaução

Este tratamento em relação à diarreia com o medicamento é somente por sintomas. Em virtude de que os indivíduos que apresentam a diarreia ocorre a perda dos eletrólitos, é uma incidência a utilização do medicamento e não se deve fazer a exclusão de hidratação.

Em diarreia aguda, se não obtiver melhora em prazo de 48h, é preciso que suspensa o consumo do medicamento e procure auxílio médico específico.


Nos indivíduos que portem a AIDS, os primeiros sinais de distensões abdominais devem interromper o uso do medicamento. Pode ocorrer, de modo isolado de obstipação, o risco elevado de:

  • megacolo tóxico em pessoas aidéticas e com colite infecciosa por vírus ou bactérias, com tratamento pelo medicamento.

O medicamento em drágeas deve ter uso de forma cautelosa nestes indivíduos em virtude do metabolismo reduzido de primeiro passo.

Ao passo que a funcionalidade do fígado esteja modificada, cenário que pode apresentar sintomas tóxicos, o consumo do medicamento deve ter acompanhamento.

Houve a descrição de abuso e mal uso do medicamento, como substituição de opiáceo, em pessoas dependentes.

Gravidez  e Amamentação

O cloridrato, em questão, na forma de drágeas não deve ser consumido em período gestacional, de forma principal em 1º trimestre, ainda que as ações teratogênicas e embriotóxicas não tenham sido observadas, com dosagens em comparação a 30x as doses de terapias. 

Pequenos quantitativos do medicamento podem surgir no leite materno. Por isso, a recomendação é que não haja o uso do medicamento no período de lactação.

Como Usar o Loperamida?

O remédio, em questão, tem indicação apenas para a faixa etária adulta. As drágeas devem ser consumidas em líquido.

A recomendação é a seguinte:

Diarreia Aguda

A dosagem de início recomendada é de 2 drágeas de 4mg. A seguir de uma drágea de 2mg posteriormente a subsequência de evacuações líquidas, até uma dosagem máxima por dia de 8 drágeas ou a depender do médico.

Diarreia Crônica

A dosagem inicial por dia é de duas drágeas de 4mg. A dosagem pode ter ajustes, até que uma a duas evacuações sólidas por dia ocorram.

Isto é obtido, geralmente, com uma dosagem média por dia com variação entre uma a seis drágeas de 2mg a 12mg. A dosagem máxima por dia não deve passar de oito drágeas de 16mg.

Duração

Este tratamento não deve ter a interrupção posteriormente a produção das fezes de teor sólido ou endurecimento, ou depois de 24h sem a evacuação.