Malária: O Que é, Informações, Causas, Tratamentos

Saiba Tudo Sobre a Malária, Uma Patologia Que Acomete a Saúde Humana. Confira os Principais Sintomas e Tratamentos Disponíveis!

A Malária é um tipo de condição patológica que se caracteriza por infecção de febres agudas. É provocada pela transmissão da picada de um mosquito denominado como Anopheles, fêmea, que tem infecção a partir do Plasmodium. Acompanhe as formas de tratamento disponíveis!


O Que é a Malária?

Malaria

Trata-se de uma patologia de infecção aguda febril, com transmissão por meio da picada da fêmea do inseto Anopheles, com infecção pelo Plasmodium.

Causas da Malária

A transmissão acontece posteriormente à picada da fêmea do inseto Anopheles, com infecção pelo protozoário Plasmodium. No nosso país, 3 categorias do mosquito se associam à patologia nos humanos:

  • P. Faciparum;
  • P. Vivax;
  • P. Malariae.

Este protozoário tem transmissão aos humanos a partir do sangue. De modo geral, por meio da picada da fêmea do inseto Anopheles, com infecção pelo Plasmodium ou, de forma mais rara, em virtude de outra forma que se coloque sangue de um indivíduo infectado em contato com o sangue de uma pessoa saudável. Isto pode ser exemplificado em compartilhamento de seringas, transfusões de sangue, incluindo de mãe ao feto, em período gestacional.

Sintomas da Malária

Os sinais que mais se destacam correspondem a:

  • febre alta – no começo contínuo e após, de 3 em 3 dias;
  • calafrios;
  • dor de cabeça e músculos;
  • taquicardia;
  • delírios;
  • elevação do baço.

Nas situações de infecção pelo P. falciparum, há também a chance de desenvolvimento do que se denomina Malária Cerebral, que se responsabiliza por uma média de 80% dos registros mortais da patologia. Ainda, os sinais correntes podem ser mencionados abaixo:


  • rigidez atrás da cabeça;
  • perturbação sensorial;
  • sono ou agitação;
  • desorientação;
  • convulsão;
  • dor de cabeça;
  • vômito;
  • coma.

Tratamento Para Malária

A decisão de como fazer o tratamento do doente deve estar conforme o manual terapêutico da doença, com edição pelo próprio Ministério da Saúde, e ter orientação pelos fatores seguintes:

Espécie de Plasmódio

A depender da categoria de Plasmódio, o indivíduo receberá um tipo específico do tratamento;

Gravidade da Patologia

Em virtude da necessidade de substâncias injetáveis de efeito mais rápido sobre os parasitas, observando a redução da mortalidade.

Remédios da Patologia

Os remédios de maior utilidade para tratar a doença correspondem a:


Prevenção da Malária

Para a confirmação da presença do elemento na corrente sanguínea, a avaliação é realizada através de uma amostra pequena. De modo geral, este sangue é retirado pela ponta do dedo do doente.

Este tratamento é realizado com a utilização de medicamentos orais. Deve ter início o mais rápido possível. Isso para que se evite complicação como icterícia, anemia e um funcionamento ruim dos órgãos vitais.

Além desses critérios, há outros riscos que o doente pode sofrer ao ser infectado pelo P. falciparum.

Por isso, prevenir a condição consiste nas seguintes atitudes:

  • evitar a picada do inseto;
  • fazer uso dos elementos repelentes;
  • fazer uso de camisas de mangas longas, calças, de modo principal em prazo final da tarde e começo da noite;
  • evitar que se acumule água parada.

Esta última dica faz com que se impeça a composição de ovos e surgimento de outros mosquitos. Trata-se de uma maneira de que se evite a patologia, em questão.

Medidas Protetivas

A medida de proteção particular corresponde aos modos mais efetivos de prevenção, levando em consideração que ainda não há vacinas disponíveis em combate a patologia.

Tais atitudes apresentam o intuito de fazer o impedimento ou a redução das possíveis do contato humano-mosquito de transmissão.

Em regiões de transmissão, a consideração do comportamento de riscos é a frequência em locais que se aproximem de criadouros de teor natural dos insetos, como:

  • beira do rio;
  • regiões alagadas em fim de tarde até que amanheça.

Isto porque, nos horários mencionados existe uma maior quantidade de mosquitos que transmitem a doença em circulação.

É imprescindível também fazer a redução pelo mínimo possível da extensão de regiões descobertas do organismo com a utilização de roupas compridas.

Ainda, as partes que não apresentam cobertura de roupa precisam ter a proteção de repelentes que, também, precisam ter aplicação em cima do vestuário.

Quimioprofilaxia

Em relação a doença, em questão, nada mais é que a utilização de remédios e substâncias antimaláricas, para uma patologia que ainda não foi contraída e que não se sabe a possibilidade de contração.

Em alguns casos, especialistas fazem a prescrição aos viajantes da quimioprofilaxia. A utilização disto faz o impedimento de multiplicações dos parasitas na corrente sanguínea.

A quimioprofilaxia não torna evitável a infecção da Malária – que se caracteriza pela entrada e pelo desenvolvimento do parasita na corrente sanguínea – na pessoa. Não induz a cura é possível que permita o surgimento de sinais de forma tardia.


A quimioprofilaxia realizada de maneira incoerente ou incorreta aos remédios utilizados, bem como posologia e dosagens podem não disponibilizar proteções adequadas.

Para tanto, consulte o especialista da Medicina e certifique-se de sempre fazer exames periódicos para a manutenção da saúde!