Leptospirose: O que é, Causas, Sintomas, Tratamento

Descubra Tudo Sobre a Leptospirose, Uma Doença que Pode Acometer o Organismo Humano. Veja as Informações e Principais Formas de Tratamento!

A Leptospirose é uma condição clínica de infecção provocada por bactérias denominadas como Leptospira que se presenciam em urinas de ratos e demais animais, com transmissão pelo homem, de modo principal em enchente.


Os animais bovinos, cães e porcos também podem ficar doentes e realizar a transmissão da doença nos seres humanos.

O Que é Leptospirose?

Leptospirose

A doença trata-se de uma infecção específica que é causada pelo elemento bacteriano Leptospira interrogans.

É caracterizada como zoonose e acontece em toda a população mundial, com exceção das áreas polares.

Existe em predominância nas áreas com pouco desenvolvimento, bem como um saneamento básica ruim, e ambiente onde se proliferam roedores.

Estas bactérias se reservam em cães, gatos, bois, cabras, cavalos, roedores e ovelhas.

O animal doméstico, ainda que, com vacinação, portam e podem realizar a eliminação dos elementos bacterianos juntamente da urina.

Causas da Leptospirose

Em casos de inundação e enchente, as urinas destes ratos, presentes em bueiros e esgotos, acabam se misturando à enxurradas e lamas de enchentes.

Quaisquer pessoas que entrarem em contato com o líquido de chuva ou lama em contaminação podem adquirir a infecção. 

Estas bactérias ficam na água e fazem a penetração no organismo humano, de forma principal, em caso de existência de ferimentos ou arranhões.

Este contato com a lama ou a água do esgoto, rios ou lagoas com a contaminação, bem como terreno baldio, pode apresentar ratos e tornar mais fácil que a doença seja transmitida.

Tratadores de animais e veterinários são capazes de contrair a patologia simplesmente pelo contato com as urinas destes animais enfermos.

Sintomas da Leptospirose

Dentre os principais sintomas frequentes, podemos achar semelhanças entre dengue e gripes. No caso, os sinais se destacam com:

  • dores de cabeça;
  • febre;
  • dor no corpo;
  • dor na panturrilha;
  • diarreia;
  • vômito;
  • tosse.

Nos diversos formatos de maior gravidade, é possível que o enfermo tenha a icterícia. Existe também a necessidade de tomar um cuidado especial, com internação em hospital.

O enfermo pode fazer a apresentação, também, das seguintes condições:

  • meningite;
  • insuficiência dos rins;
  • insuficiência do fígado;
  • insuficiência respiratória.

Estas condições podem desencadear o óbito.


Tratamento para Leptospirose

O tratamento se baseia na utilização de remédios e demais medidas que suportam, a partir da orientação de um especialista, conforme os sinais dispostos no organismo.

As situações leves podem ter o tratamento em ambulatórios. Contudo, as situações de maior gravidade necessitam de internação.

Automedicar-se não é uma atitude recomendada, em virtude do agravamento da patologia.

Remédios para Leptospirose

As medicações mais utilizadas para tratar a condição, compreendem os seguintes:

Apenas um especialista é capaz de revelar o melhor remédio com indicação para a sua situação clínica.

Atente-se, portanto, a dosagem, os horários e tempo de tratamento especificado. Seguir sempre À risca as recomendações do especialista é imprescindível.

É importante não interromper a utilização da medicação sem a consulta de especialistas. Não efetue superdosagens.

Elas podem prejudicar ainda mais o organismo já debilitado.

Prevenção

A fim de realizar um controle maior da Leptospirose, é preciso tomar algumas atitudes específicas relacionadas ao lugar onde mora ou espaço próximo, bem como saneamento básico – o abastecimento do lixo, do esgoto e da água – e aprimoramentos nas residências humanas.

Outro ponto imprescindível é realizar o combate aos roedores.

É preciso, portanto, evitar entrar em contato com lamas das enchentes ou água.


Impeça que crianças brinquem ou nadem nas áreas em que as águas, em questão, estão acumuladas, bem como ambientes que possam trazer a contaminação a partir da urina dos roedores.

Indivíduos que promovem o trabalho na limpeza de entulhos, lamas e desentupindo esgotos precisam utilizar luvas emborrachas, bem como botas.

Caso isto não seja possível, use saco plástico duplo bem amarrado nos pés e nas regiões das mãos.

Leptospirose tem cura?

A condição apresenta cura e diagnóstico coerente, bem como tratamento específico em que há a possibilidade de que se evite o agravamento da patologia.

O tratamento, em questão, faz a inclusão do monitoramento e da observação clínica em hospitais. Há também a inclusão, portanto, de hidratações intensas, a utilização de substâncias antibióticas e remédios para os demais sintomas.

Não existe, ainda, uma vacina disponível para este quadro clínico. Por isso, os formatos de prevenção são sempre vem vindos.

Confira demais dicas para evitar enfrentar esta condição patológica:

  • lave bem os alimentos, de forma adequada, principalmente verduras e frutas;
  • tampe caixas d’água;
  • faça a devida vacinação aos animais que possui;
  • evite andar sem calçados;
  • utilize sapatos adequados e limpos;
  • atitudes de combate aos ratos;
  • atitudes de melhorias ao saneamento básica;
  • evite entrar em contato com a água das enchentes, lagoas ou esgotos que podem ter contaminação.

É importante lembrar que o indivíduo que apresenta a situação clínica deve, de todas as formas, evitar utilizar os remédios que apresentem o ácido acetilsalicílico, em virtude dos riscos elevados de acontecer hemorragias.

A doença, em questão, pode ter o diagnóstico e tratamento a partir de um médico clínico geral ou um especialista em infecções.

Fazer exames periódicos e manter-se a par das medidas preventivas evita problemas relacionados à saúde.


Busque sempre a qualidade de vida com bons hábitos e um cuidado especial com a sua saúde!

Por mais que você se sinta bem, faça um Check-up  uma vez por ano.  Exames regulares ajudam seu médico acompanhar sua saúde e identificar alguma ameaça de doença, colocando você no caminho do tratamento.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.