Indapamida – Bula, O Que é, Indicações e Contraindicações

Indapamida é um dos medicamentos indicados para equilibrar a pressão arterial, sendo disponibilizado em formato de comprimidos revestidos e produzido pelo laboratório EMS.

Para saber todas as informações sobre esse fármaco, incluindo contraindicações e efeitos colaterais, fique de olho no nosso artigo.


Para Que Serve o Indapamida?

Indapamida é recomendado para o tratamento da pressão alta essencial (hipertensão arterial essencial). Esse quadro é quando a pressão arterial é superior a 140/90 mmHg sem que as causas sejam identificadas.

Logo, esse medicamento atua no equilíbrio da pressão arterial, evitando situações mais graves como derrames ou infarto.

Indapamida

Como o Indapamida Age?

Indapamida, que é a substância ativa desse medicamento, possui efeito diurético. Isso faz com que a quantidade de urina gerada nos rins seja aumentada.

No entanto, no caso do Indapamida, esse aumento é em níveis adequados (não exagerado).

Esse efeito levemente diurético contribui para o equilíbrio da pressão arterial por meio de mecanismos vasculares responsáveis por evitar que a pressão suba.

De forma geral, logo na primeira hora depois de ingerir esse medicamento, o equilíbrio da pressão arterial é obtido pelas próximas 24 horas.

Composição Desse Medicamento

Cada comprimido revestido de Indapamida contém as seguintes substâncias:

  • Indapamida (substância ativa);
  • Macrogol (excipiente);
  • Dióxido de silício (excipiente);
  • Lactose monoidratada (excipiente);
  • Povidona (excipiente);
  • Hipromelose (excipiente);
  • Estearato de magnésio (excipiente);
  • Dióxido de titânio (excipiente);
  • Álcool polivinílico (excipiente);
  • Talco (excipiente);

Contraindicações do Indapamida

Indapamida, tal como a grande maioria dos medicamentos, possui contraindicações que devem ser observadas com atenção antes de iniciar o consumo desse fármaco. ;Dessa forma, esse medicamento não é indicado nos seguintes casos:

  • Crianças;
  • Pacientes diagnosticados com doenças graves no fígado;
  • Pessoas que apresentam uma condição chamada de encefalopatia hepática (que consiste numa doença cerebral degenerativa);
  • Indivíduos que possuem doenças renais graves;
  • Pacientes que apresentam níveis baixos de potássio no sangue (hipocalemia);
  • Pessoas que sofrem com galactosemia, deficiência de lactase ou problemas de absorção de glicose e galactose. Essa contraindicação ocorre porque o Indapamida possui lactose na fórmula;
  • Pacientes com histórico de hipersensibilidade à indapamida ou a qualquer uma das substâncias presentes na fórmula desse medicamento.

Atenção:

– No caso de gestantes e mulheres que estão amamentando, esse medicamento só pode ser utilizado mediante autorização e acompanhamento médico.

Indapamida, pelo fato de conter açúcar (lactose), precisa ser usado com cuidado pelos pacientes diagnosticados com diabetes.

Efeitos Colaterais do Indapamida

Além das contraindicações do Indapamida, é necessário conhecer os possíveis efeitos colaterais desse medicamento. Vejamos quais são.

Efeitos Comuns (afetam entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam esse fármaco)

  • Redução da quantidade de potássio no sangue;
  • Fraqueza muscular.

Efeitos Incomuns (afetam entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam esse fármaco)


  • Reações alérgicas, sobretudo na pele, tais como aparecimento de pontos vermelhos e erupções cutâneas;
  • Vômito.

Efeitos Raros (afetam entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam esse fármaco)

  • Constante sensação de cansaço;
  • Tontura;
  • Formigamento;
  • Dor de cabeça;
  • Náuseas;
  • Constipação intestinal;
  • Boca seca;
  • Elevação dos riscos de desidratação (principalmente no caso de idosos e pessoas que apresentam insuficiência cardíaca).

Efeitos Muito Raros (afetam menos que 0,01% dos pacientes que utilizam esse fármaco)


  • Dores no abdômen superior;
  • Inflamação no pâncreas;
  • Hipotensão (redução da pressão arterial além do normal);
  • Arritmia cardíaca;
  • Doença nos rins;
  • Alteração nas funções do fígado;
  • Encefalopatia hepática (doença degenerativa no cérebro);
  • Redução da quantidade de células brancas no sangue, o que pode provocar dores de garganta, febre e sintomas de gripe;
  • Redução do número de plaquetas no sangue, o que pode acarretar sangramento nasal;
  • Quadros anêmicos;
  • Alterações cutâneas graves;
  • Crises de urticária e/ou angioedema (inchaço na pele, nos lábios, na língua, nas extremidades ou na face, nas membranas mucosas da garganta ou nas vias aéreas), o que provoca dificuldades para engolir ou respirar;
  • Agravamento do lúpus eritematoso sistêmico (no caso de pacientes que sofrem dessa doença);
  • Mudanças na aparência da pele depois de exposição ao sol ou raios UVA artificiais.

Efeitos Desconhecidos (não são possíveis de serem estimados com os dados disponíveis)

  • Redução dos níveis de potássio no sangue;
  • Diminuição da quantidade de sódio no sangue, o que pode provocar quadros de desidratação ou redução da pressão arterial;
  • Aumento dos níveis de ácido úrico, substância que pode provocar ou piorar o quadro de gota (um tipo de doença reumática);
  • Elevação dos níveis de glicose em pessoas diabéticas;
  • Aumento dos níveis de cálcio no sangue;
  • Aumento da concentração de enzimas hepáticas;
  • Alterações no exame de eletrocardiograma;
  • Irregularidades nos batimentos cardíacos com risco de vida;
  • Sensação de mal-estar;
  • Quadros de hepatite.

Ao notar um ou mais dos efeitos colaterais mencionados, principalmente os mais intensos, graves ou frequentes, é necessário suspender o uso do medicamento e consultar urgentemente o médico responsável pelo tratamento.

Caberá ao médico avaliar o estado de saúde do paciente e reavaliar o tratamento proposto. Em alguns casos, basta fazer adequações na dosagem do medicamento.

Já em outros, é preciso mudar de medicamento.

Por Que Consultar Um Médico?

Todas as pessoas que sofrem com problemas de pressão arterial precisam de acompanhamento médico regular, preferencialmente que ele seja feito por um cardiologista.

Esse acompanhamento é essencial para evitar que o problema volte e manter sob controle os riscos de complicações mais graves que podem causar infarto e derrames.

Além disso, dependendo das condições do paciente, o médico deverá recomendar a adoção de uma dieta mais saudável com o objetivo de perder peso, realização de atividades físicas leves ou moderadas e demais ações que favoreçam o controle da pressão.

Pacientes com hipertensão também precisam realizar exames com maior regularidade para mensurar o efeito dos medicamentos ingeridos e principalmente avaliar de uma forma detalhada a saúde do coração.

Indapamida, assim como todos os medicamentos para hipertensão, são de uso contínuo, ou seja, precisam ser ingeridos com total disciplina por parte do paciente.

Em hipótese alguma o tratamento deve ser suspendido sem que o médico tenha autorizado.


Depois de se informar sobre Indapamida, compartilhe esse conteúdo com seus amigos e familiares para que eles também fiquem por dentro dos cuidados que devem ser tomados ao ingerir esse medicamento.

Para que os medicamentos possam ser comercializados, eles devem ser registrados na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Em casos de dúvida, verifique no portal da Agência em “Consulta de Produtos”, pois pode ser um medicamento irregular ou falsificado.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.