Hepatite C: O Que é, Causas, Sintomas, Tratamento

Descubra Tudo Sobre a Hepatite C, Uma Doença que Pode Acometer o Organismo Humano. Veja as Informações e Principais Formas de Tratamento!

A Hepatite C é um problema viral que desencadeia inflamações no fígado e, de forma rara, apresenta sinais específicos.


O fato é que, grande parte dos indivíduos que apresentam a patologia, por vezes, fazem a descoberta por meio de uma doação sanguínea ou pelo procedimento de testes rotineiros, bem como ao surgir sinais da patologia avançada na região hepática.

Isto pode acontecer, geralmente, muitos anos posteriores.

O Que é Hepatite C?

Hepatite C

A patologia é uma das três categorias mais comuns da condição e é considerada a pior de todas.

Conforme o Fundo Mundial que atua em relação aos dados de Hepatite da Organização das Nações Unidas, uma média de 500 milhões de indivíduos no mundo inteiro apresenta a infecção com o vírus para a categoria B e C, e somente 5 % delas está ciente de que possui a patologia.

No país, há uma média de 1,5milhão de indivíduos com a infecção pela Hepatite C.

Esta patologia se responsabiliza por 70 % das hepatites de caráter crônico, bem como 40 % das situações de cirrose, de acordo com estatísticas do Ministério da Saúde.

Causas da Hepatite C

A patologia é provocada pelo vírus C, sendo que a transmissão acontece através do contato com a contaminação do sangue, tanto pelas transfusões sanguíneas, acidente a partir do material com contaminação, em situação de funcionários do setor da saúde, ou através de substâncias injetáveis.

Transmissões de mãe ao filho são extremamente raras, sendo que a média de ocorrência é de 5 % em partos.

A grande parte dos estudos ainda não promoveu a comprovação de transmissão da patologia pelo contato sexual.

Sintomas da Hepatite C

A doença apresente o caráter agudo e crônico. Grande parte das pessoas que têm infecção a partir do vírus apresenta a doença de teor crônico, porque a patologia, de modo geral, não apresenta manifestação dos sinais em etapa de início.

Os sinais podem ter ocorrência com infecção pela doença hepática da categoria C e decorrem do estado avançado:

  • dores abdominais;
  • urina escura;
  • inchaço abdominal;
  • cansaço;
  • sangramento estomacal e no esôfago;
  • coceira;
  • febre;
  • icterícia;
  • náusea;
  • perda do apetite;
  • vômito.

Tratamento para Hepatite C

Não é sempre que haverá a necessidade do tratamento. O especialista pode dizer, com certeza, o que de fato o seu quadro clínico necessita – sendo a terapia, ou não.

De modo geral, ainda que indivíduos dispensem os tratamentos, é preciso realizar o teste sanguíneo para acompanhamento é imprescindível.

Outras situações, contudo, precisarão ser tratadas para que se evite possível complicação.


Nestes casos, as infecções pela hepatite tem tratamento ao combinar remédios antivirais a terem o consumo por um prazo de semanas, com o intuito de realizar a eliminação do vírus pelo organismo do enfermo.

Ao longo do tratamento completo, o especialista deverá fazer a monitoração das respostas do indivíduo aos remédios com ministração.

Estes remédios antivirais podem provocar diversas reações adversas, como:

  • depressão;
  • dores musculares;
  • febre;
  • dores de cabeça;
  • falta de apetite;
  • cansaço.

Determinadas reações adversas podem apresentar caráter grave, necessitando que o tratamento seja interrompido.

Em caso de danificação severa do fígado a partir do vírus HCV, pode ser que a alternativa mais adequada seja um transplante.

Ao longo de um transplante, o médico fará a remoção do danificado e substituirá por outro saudável.

Os transplantes de fígados, em grande parte dos casos, são recebidos de doadores que tiveram o óbito, ainda que exista a possibilidade de doação a partir de pessoas vivas.

Esta intervenção cirúrgica, contudo, não tem consideração como uma cura para a doença.

O tratamento medicamentoso da categoria antiviral permanece, de modo geral, depois da cirurgia, porque as infecções voltam a acontecer em novo órgão.

Remédios Para Hepatite C

Os remédios mais utilizados para tratar a condição são os seguintes:

Só um médico é capaz de revelar qual a medicação mais indicada para cada situação, assim como a dose adequada e o tempo do tratamento.

Seguir, à risca a orientação do médico é imprescindível, bem como evitar a automedicação.

É importante não interromper a utilização do remédio sem a consulta do especialista. Não abuse das dosagens. A superdosagem pode ser extremamente prejudicial.

Hepatite C tem cura?

Grande parte dos indivíduos que apresentam a infecção pela doença são caracterizadas pelo formato crônico. As oportunidades de realizar a remoção do vírus do sangue a partir do tratamento específico é aproximadamente 50 %.

Ainda que o tratamento não seja capaz de remover o elemento, é possível fazer a redução de que a patologia tenha teor grave.

Diversos especialistas fazem uso da terminologia “resposta virológica prolongada”, ao invés de cura. Isto porque, ao passo que o vírus tenha a remoção sanguínea, não há a certeza de que tal resposta será efetiva.

Ainda, o transplante, mesmo que necessário em algumas situações, não faz a garantia da cura.


Prevenção

É preciso se proteger em combate as infecções pela condição, observando a precaução a seguir:


  • não utilize drogas ilícitas;
  • tenha cautela com tatuagem e piercings – o ambiente deve ser higienizado, bem como os materiais descartáveis;
  • o material de manicure deve estar sempre esterilizado, ao passo que frequente salões de beleza;
  • proteger-se em momento de relação sexual, usando camisinha;
  • não há ainda imunoterapia para combater a doença.

Estas atitudes podem livrar o indivíduo da condição patológica e tornar, portanto, a qualidade de vida mais assídua e permanente. Busque sempre fazer exames periódicos e cuidar bem de sua saúde!

Por mais que você se sinta bem, faça um Check-up  uma vez por ano.  Exames regulares ajudam seu médico acompanhar sua saúde e identificar alguma ameaça de doença, colocando você no caminho do tratamento.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.