Dopamina: Entenda para que Serve, Modo de Uso, Efeitos Colaterais e Contraindicações

O Cloridrato de Dopamina – também chamado apenas de Dopamina – é uma medicação para controlar e tratar os sintomas de diversos problemas graves cardiológicos.

Apresentação e Composição

O medicamento é apresentado em solução injetável, geralmente, para uso ambulatorial e hospitalar.


Cada ml da medicação contém 5 mg de Cloridrato de Dopamina. Além dos veículos: cloreto de sódio, bissulfito de sódio, água de osmose reversa.

Dopamina

Indicações de Dopamina

A medicação está indicada para tratar pessoas que tiveram problemas cardiológicos em geral. As principais indicações do medicamento são:

Estados de choque circulatório: choque cardiogênico pós-infarto, choque séptico, choque anafilático, retenção hidrossalina de etiologia variada;

  • Hipertensão arterial;
  • Infarto do miocárdio;
  • Hipotensão;
  • Hipovolemia (falta de sangue no coração.

Como o Medicamento é Usado?

A Dopamina tem sua administração através de infusão intravenosa, depois da diluição do medicamento para uso no paciente.

Em geral, o uso do medicamento é feito em ambiente ambulatorial ou hospitalar. Isso porque a medicação necessita ser administrado por meio de uma bomba de infusão, que garante que seja injetada no paciente a dose exata e necessária da substância.

Vale ressaltar ainda que o paciente, durante a aplicação da medicação deve receber uma monitorização hemodinâmica – em especial, se ele sofrer ou sofreu de problemas como: insuficiência cardíaca congestiva ou doença cardíaca isquêmica.

O processo de infusão da Dopamina deve ser finalizado reduzindo-se as quantidades injetadas no paciente. Isso porque a interrupção de maneira abrupta do procedimento pode levar o paciente a manifestar pressão arterial baixa aguda.

Quais são as Contraindicações?

O medicamento não deve ser aplicado nos casos:

  • Pacientes que sofram de feocromocitoma (tumor na glândula suprarrenal);
  • Pessoas que apresentem hipersensibilidade aos quaisquer um dos componentes da fórmula;
  • Portadores de hipertireoidismo;
  • Pessoas com arritmias não (fibrilação ventricular ou taquiarritmias);
  • Mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez sem autorização médica;
  • Mulheres em fase de amamentação sem autorização médica.

Qual a Ação da Dopamina no Organismo?

A administração da medicação auxilia a melhorar a pressão arterial dos pacientes, intensificar a força de contração do coração e a regular os batimentos cardíacos em pessoas sofrem ou já sofreram com problemas cardíacos.

Além disso, regula as funções cardiovasculares em geral, em casos de choques graves, em que apenas a infusão de soro não melhora o quadro do paciente.

O tempo de ação da substância é de apenas 5 minutos.

Quais são as Reações Adversas?

Como todo medicamento, a infusão da substância pode apresentar ao paciente reações adversas. Entre as principais delas, podemos mencionar: :


  • Batimentos ectópicos (desregulares);
  • Arritmia ventricular (com doses muito elevadas);
  • Dor anginosa;
  • Taquicardia;
  • Palpitação;
  • Complexo QRS alargado;
  • Hipertensão;
  • Hipotensão;
  • Vasoconstrição;
  • Náusea;
  • Dispneia;
  • Azotemia (excesso de nitrogênio no sangue;
  • Vômitos;
  • Ansiedade;
  • Dor de cabeça;
  • Gangrena das extremidades onde foram administradas por períodos prolongados;
  • Gangrema em pacientes com doença vascular oclusiva;
  • Piloereção (suspensão de pelos);
  • Cianose periférica;
  • Dispneia;
  • Piora de Distúrbios vasculares pré-existentes;
  • Descamação e necrose tecidual e superficial da pele;
  • Vasoconstrição por aumento da pressão diastólica;
  • Redução da concentração sérica de prolactina em pacientes graves.

Outros casos onde deve haver cautela no processo de infusão de Dopamina são:

Pacientes Idosos

Pacientes a partir do 65 anos de idade devem começar o tratamento de infusão da medicação com o uso das menores doses possívesi, porém, que ofereçam, ao mesmo tempo, resultados eficazes para essas pessoas.

Pacientes Pediátricos

Não existem níveis seguros para a infusão de doses de Dopamina em pacientes pediátricos. Por isso, até o momento, a administração do medicamento nas crianças ainda permanece contraindicada.

Porém, existem casos onde o médico pediatra autoriza a infusão da substância em pacientes pediátricos. Nesses casos, que são raros, é recomenda-se usar a menor dose de Dopamina possível – para evitar efeitos colaterais desagradáveis, como por exemplo, a hipotensão acentuada após a infusão da substância.

Pacientes com Insuficiência Renal

Pacientes que sofram também de insuficiência renal deve ter a infusão da substância limitada. Nesses casos, recomenda-se que esse tipo de paciente passe por um processo de preparação, como o uso de medicamentos diuréticos, alguns dias antes da infusão de Dopamina. 

Pacientes com Hipertensão Arterial

Pessoas que apresentem pressão arterial alta costumam apresentar uma resposta satisfatória com o processo de infusão da substância. Basta que o profissional responsável monitore o aumento da frequência cardíaca desses tipos de pacientes.


Quais Interações Medicamentosas Possíveis?

Assim como acontece com qualquer medicamento, em algumas situações a Dopamina pode interagir com outros remédios. Nesses casos, o médico responsável deve avaliar se é possível ou não o uso em conjunto dos fármacos envolvidos:


  • Antidepressivos tricíclicos;
  • Inibidores da monoamino-oxidase  a ergonovina;
  • Isocarboxazida:
  • Cloridrato de pargilina;
  • Sulfato de tranilcipromina;
  • Sulfato de fenelzina;
  • Fenitoínas;
  • Agentes com efeitos hemodinâmicos;
  • Halotano;
  • Ciclopropano;
  • Diuréticos;
  • Anestésicos voláteis;
  • Alguns fármacos ocitócicos;
  • Vasopressores;
  • Bloqueadores alfa-adrenérgicos;
  • Bloqueadores beta-adrenérgicos (como o metoprolol e o propranolol);
  • Aminofilina;
  • Bicarbonato de sódio e demais soluções alcalinas intravenosas;
  • Tiopental sódico;
  • Furosemida;
  • Ampicilina;
  • Insulina;
  • Sulfato de gentamicina;
  • Anfotericina B;
  • Oxacilina sódica;
  • Cefalotina sódica; entre outros.

Superdosagem Com Dopamina

Como o procedimento é feito via infusão com bombas apropriadas e em ambiente hospitalar, estão descartados possíveis casos de o paciente fazer uso excessivo da medicação.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.