Doença Celíaca: O Que é, Causas, Sintomas, Tratamento

Descubra Tudo Sobre o Doença Celíaca, Uma Doença que Pode Acometer o Organismo Humano. Veja as Informações e Principais Formas de Tratamento!

A Doença Celíaca é provocada em virtude de intolerância ao glúten. Trata-se, portanto, de um elemento proteico encontrado na aveia, trigo, cevada, centeio e demais, como as pizzas, os bolos, as massas, os biscoitos, vodka, e determinados tipos de doces.


Eles provocam uma certa dificuldade do organismo em fazer, por isso, a absorção dos nutrientes da alimentação, das vitaminas, da água e dos sais minerais.

O Que é Doença Celíaca?

Doença Celíaca

Esta patologia é de caráter crônico, autoimune, que prejudica a região intestinal delgada do público adulto e infantil que apresentem predisposição genética.

Esta condição provoca atrofia das mucosas intestinais, provocando prejuízos em absorções de nutrientes, água e sais minerais.

A Doença Celíaca é diferente do caso de sensibilidade ou intolerância a trigo e glúten. Se tiver sensibilidade a este elemento, é possível que apresente sinais semelhantes aos da patologia, em questão, como a fadiga e as dores abdominais.

Em oposição a esta doença, a sensibilidade a este elemento não promove a danificação do intestino delgado.

O glúten é um tipo de proteína grande, composta por dois tipos de proteínas pequenas que se denominam glutenina e gliadina. É disposto, portanto, juntamente ao amido, nos cereais como:

  • centeio;
  • cevada;
  • trigo;
  • malte;
  • triticale.

Este elemento apresenta finalidades diferenciadas para a produção alimentícia.

Em relação ao procedimento da fermentação do pão, a substância do glúten composta no trigo se responsabiliza pelos gases presentes na parte interna da massa, realizando o aumento do volume do pão, para que não reduza ao ficar frio.

Causas da Doença Celíaca?

A Doença Celíaca acontece em virtude da presença genética que tem determinação pelos elementos anticorpos que a imunidade produz em combate ao glúten.

A partir das agressões da mucosa do intestino, que tem variação de indivíduo para indivíduo, tais anticorpos promovem o ataque aos elementos proteicos, provocando inflamações locais, atrofias de vilosidade do intestino e a consequência desta dificuldade de absorver a nutrição.

Muitos estudiosos não conseguem saber de forma exata o que leva a doença, em questão, acontecer, em indivíduos que consomem o glúten em um determinado período.

Contudo, há a possibilidade de que isto tenha a ver com a genética do paciente. Uma média de 10 a 20 % dos indivíduos que são familiares destes pacientes apresentam a doença.

Sintomas da Doença Celíaca

Dentre os principais sinais da Doença Celíaca, podemos mencionar aqueles que mais acometem o organismo. Confira:

  • dores abdominais;
  • flatulências;
  • diarreia;
  • distensões abdominais;
  • fraqueza;
  • dificuldade em ganhar peso;
  • perda de peso;
  • cabelo cai com frequência;
  • redução do apetite;
  • anemia;
  • lesão da pele;
  • déficit de crescimento no público infantil;
  • infertilidade.

Determinados indivíduos que apresentam a patologia são, portanto, assintomáticos. Eles também podem ter variação e ser diferenciados entre o público infantil e adulto.

Crianças

No público infantil menor que dois anos de idade, os sintomas da patologia fazem a inclusão dos seguintes sinais:


  • diarreia;
  • vômito;
  • inchaço na barriga;
  • diarreia crônica;
  • falha em prosperar;
  • apetite reduzido;
  • massa dos músculos perdida;

O público infantil mais velho pode apresentar os seguintes sinais:

  • prisão de ventre;
  • diarreia;
  • perda do peso;
  • irritação;
  • estatura baixa;
  • puberdade tardia.

Os sinais neurológicos fazem a inclusão do TDAH – transtorno de déficit de atenção/ hiperatividadae, bem como dificuldades em aprender, dor de cabeça, convulsão e, ainda, a falta de coordenação dos músculos.

Diagnóstico da Doença Celíaca

A doença é diagnosticada por um gastroenterologista, através de avaliações dos sintomas que o paciente apresenta e pelo histórico familiar, já a doença é genética.

Além disso, o profissional também pode vir a solicitar exames de sangue, urina, fezes e biópsia do intestino. assim poderá encaminhar o tratamento.

Tratamento Para Doença Celíaca

Dentre os principais meios de tratar a condição, o tratamento mais comum, portanto, é a alimentação que se faz ausente do glúten.

Ao passo que a proteína tem a exclusão da dieta, os sinais costumam desaparecer. A grande dificuldade para os indivíduos e a convivência com restrição imposta por hábitos novos da alimentação.

A patologia não apresenta cura, e portanto, a alimentação precisa ser acompanhada pela vida inteira.

É imprescindível que, aqueles que disponibilizam a doença, precisam atentar-se ao possível desenvolvimento de câncer intestinal e questões de infertilidade.

A grande dificuldade, contudo, para os indivíduos é a convivência com restrição imposta pela alimentação nova.

Estes pacientes, por isso, precisam de orientação em relação à contaminação que se cruza em preparo e alimentos produzidos, incluindo remédios.

Em primeiros meses com o diagnóstico, porém, é preciso também que se evite o consumo concomitante do leite e suas derivações, em virtude da intolerância a lactose de modo secundário.

A análise dos profissionais de Nutrição especializados pode auxiliar a aprender a modificar o hábito alimentar.

É muito importante, também, manter o hábito de leitura e compreensão de rótulos alimentícios.

Prevenção

No momento, não há modos de fazer o impedimento do surgimento da patologia, em questão.

Contudo, de agora com a genética, que se envolve neste procedimento, o histórico genético pode auxiliar a diagnosticar a condição cedo, aumentando as chances da adaptação da alimentação e evitando lesão intestinal.

Alimentação e Dieta Para a Doença Celíaca

Até agora, uma dieta sem glúten é o único meio terapêutico para esta patologia. Há, por isso, a necessidade de fazer a exclusão da alimentação de determinados alimentos. Por exemplo:

  • massas;
  • pães;
  • biscoitos;
  • pizza;
  • afins.

Além disso, é preciso que se repense bastante sobre uma reeducação da alimentação. De acordo com os estudiosos, há, então, uma procura assídua de opções naturais para fazer o bloqueamento destas condições inflamatórias típicas da patologia.


Em relação a diversas pesquisas já existentes, apresentou-se, portanto, resultados a partir de uma pesquisa mais atual.

Identificou-se sequências presentes em determinadas variações do trigo e centeio, que são capazes de inibir a resposta em defesa do corpo.


As etapas a seguir, por isso, desta pesquisa, estão tentando fazer a definição exata de qual mecanismo do efeito protetor pode atuar na doença, com o intuito de fazer a sua prevenção.

Por mais que você se sinta bem, faça um Checkup  uma vez por ano.  Exames regulares ajudam seu médico acompanhar sua saúde e identificar alguma ameaça de doença, colocando você no caminho do tratamento.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.