Depressão: O Que é, Causas, Sintomas e Tratamento

Confira Todas as Informações Sobre a Depressão. Veja as Causas, Sintomas e Opções de Tratamento Para Esta Condição que Acomete a Saúde!

A Depressão é uma condição clínica que acomete a saúde de muitas pessoas do mundo inteiro. Trata-se de um problema afetivo que é capaz de gerar uma condição extremamente desconfortável para o humor do paciente, causando tristeza e desencadeando, nos casos mais graves, o suicídio.


O Que é Depressão?

Depressão

Esta condição trata-se de um distúrbio de afetividade que é capaz de causar tristeza profunda, bem como os seguintes critérios:

  • perda do interesse de forma generalizada;
  • falta de ânimo;
  • falta de apetite;
  • falta do prazer;
  • oscilação do humor que desencadeia pensamento suicida.

Portanto, a condição, em questão, necessita de acompanhamento psicológico e clínico, para que seja diagnosticada a situação específica e tratamento possível.

O transtorno é capaz de atingir um quantitativo maior que 300 milhões de indivíduos para todas as faixas etárias, de acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde. Em nosso país, estima-se que 5,8 % da sociedade seja prejudicada pela patologia.

Triste ou Depressivo?

Existe diferenças entre depressão e tristeza. Esta última é capaz de acontecer por intermédio de situação cotidiana. 

Nisso, o indivíduo, de fato, sofre com a situação até que possa compreender exatamente o que acontece de, de modo geral, não tem duração maior que 15 a 20 dias.

A depressão, em contrapartida, tem a instalação no organismo e, em caso de não haver tratamento, pode se tornar pior e apresentar 3 estágios:

  • leve;
  • moderada;
  • grave.

Esta patologia pode ter a classificação com os três estágios mencionados, sendo que o teor leve é capaz de apresentes apenas dois sinais principais e dois secundários.

O teor moderado pode apresentar dois sinais principais e três a quatro secundários. Por conseguinte, o teor grave apresenta três sinais principais e mais de quatro secundários.

Posteriormente ao receber o diagnóstico, o paciente pode ter orientações do tratamento que deve sofrer ajustes aos sinais presenciados.

Causas da Depressão

A depressão de modo geral é provocada por determinadas situações que perturbam ou estressam, que acontecem na vida, como o óbito de alguém da família, condições problemáticas de divórcio ou finanças.

Contudo, é possível também que seja causada pela utilização de medicamentos como Prolopa. Há também a possibilidade de ser causada em virtude de patologias gravíssimas como HIV ou Câncer.

Os indivíduos que apresentam a depressão, de modo geral, acabam se sentindo muito cansados por grande parte do tempo.

Eles portam problemas como a perda ou o ganho do peso, relativos ao sono, bem como a sensação de tristeza intensa.


É imprescindível que se busque o auxílio de psicólogos e psiquiatras para que haja a possibilidade de fazer a identificação do desencadeador da depressão e dar início ao tratamento.

Depressão em Razão do Luto

É imprescindível fazer a diferenciação da Depressão em razão de luto, posteriormente a perda de um ente querido, porque é um caso que pode gerar tristeza intensa por muito tempo, até doze meses.

Porém, que apresenta justificativa, sentimento que oscila e que se torna pior ao lembrar de quem se perdeu.

Ainda que o luto seja uma resposta de adaptação da perda, o indivíduo pode não estar apto a ter a recuperação desse cenário, vivendo um luto persistente, e desencadeando a depressão.


Porém isso só qualifica a condição, em caso de o indivíduo ter falecido há tempo maior que doze meses.

Sintomas da Depressão

Em razão da depressão, o indivíduo deve apresentar, no mínimo, dois dos sinais a seguir, em período maior que duas semanas:

  • humor deprimido que tenha anormalidade para tal indivíduo, que se mantém por, no mínimo, quatorze dias, e se presencia ao longo da maior parte do dia – diariamente, e que não sofre influências;
  • interesse perdido ou prazer perdido pelo exercício que, de modo geral, era agradável;
  • sensação de cansaço e redução de energia.

Demais sinais secundários comuns da depressão, fazem a inclusão de:

  • autoestima perdida, bem como a confiança própria;
  • sentimento de culpa em excesso ou auto-reprovações;
  • problema de sono, em que o indivíduo é capaz de acordar durante a noite e não consegue mais dormir;
  • em alguns casos, o sono em excesso;
  • pensamento suicida ou quaisquer comportamentos semelhantes
  • redução da concentração ou a habilidade de pensar, sendo muito indeciso;
  • agitação excessiva ou lentificação do procedimento dos exercícios;
  • modificação do apetite, com redução ou elevação do peso;
  • perda da libido;
  • condição que piora no período matutino;
  • perda do peso;
  • irritação em excesso;
  • ansiedade em excesso.

A condição patológica deve ser diagnosticada por um especialista. Preferencialmente um psiquiatra, que é capaz da classificação da depressão. Isto conforme o teor de gravidade, que tem variação no quantitativo de sinais que se presenciam.

Tratamento Para Depressão

O tratamento para esta condição é realizado por meio da utilização de medicação antidepressiva recomendada pelo especialista e o procedimento de sessão de psicoterapia, que de modo geral, é realizado por semanal com psicólogo.

A utilização dos elementos antidepressivas não causam dependências. Ela deve ter o uso ao passo que haja a necessidade para que o indivíduo tenha tratamento.

De modo geral, sua utilização persiste por, no mínimo, seis meses a um ano. Posteriormente a melhora dos sinais e, em caso de segunda crise depressiva, a recomendação é fazer uso por, no mínimo, vinte e quatro meses.

Compreende quais são as substâncias antidepressivas comuns e de que modo são utilizadas.

Já nas situações de maior gravidade ou que não consigam melhorar – ou ainda em terceira crise depressiva – é preciso considerar o uso da medicação para o resto da vida, sem grandes complicações em razão a utilização prolongada.

Contudo, há a necessidade, portanto, de considerar que, para uma qualidade de vida melhor, não é suficiente a ingestão de medicamentos ansiolíticos ou antidepressivos.

A importância tem acompanhamento por psicólogo. A sessão pode ter procedimento uma vez semanal, até que o indivíduo esteja totalmente curado.


A prática de atividades físicas, o encontro de novos lazeres e busca de motivação são indicações imprescindíveis. Elas auxiliam a deixar este quadro clínico.

Por mais que você se sinta bem, faça um Check-up  uma vez por ano.  Exames regulares ajudam seu médico acompanhar sua saúde e identificar alguma ameaça de doença, colocando você no caminho do tratamento.