Câncer de Mama: O que é, Informações, Causas, Tratamentos

Saiba Tudo Sobre o Câncer de Mama, Uma Condição da Saúde Que Apresenta Sintomas e Tem Suas Causas Específicas. Confira as Informações e os Tratamentos Disponíveis.

O Câncer de Mama é uma patologia que acomete a saúde de muitas mulheres, principalmente, todos os dias. É uma doença que acomete as mamas e precisa de acompanhamento médico, medicamentoso ou cirúrgico.


O Que é Câncer de Mama?

Câncer de Mama

O Câncer de Mama trata-se de um tumor de caráter maligno que tem desenvolvimento nas mamas como um resultado de modificação de teor genético, em grupos de elementos celulares mamários, que passam a ter divisão descontrolada.

Acontece o aumento anormal dos elementos celulares das mamas, na região do ducto mamário e também de glóbulos.

A categoria do câncer que mais prejudica o público feminino no mundo inteiro, tendo um quantitativo maior que 1,38 milhões de registros novos e 458 mil óbitos pela patologia todos os anos, conforme a OMS – Organização Mundial de Saúde.

A cada 100 mulheres, 1 homem é acometido pela patologia. Portanto, é uma doença que apresentam maior risco à mulheres.

No nosso país, o Ministério da Saúde traz a estimativa de 52.680 registros novos em um ano, a partir de risco com estimativa de 52 registros a cada 100mil mulheres.

Tipos

Há diversas categorias e subcategorias do câncer mamário. Em geral, este diagnóstico considera algumas situações como:

  • tumor invasivo ou não invasivo;
  • categoria histológica do paciente;
  • análise imunoistoquímica;
  • estágio da doença.

Tumor Invasivo ou Não

Um câncer nas mamas de teor não invasivo, também denominado como “câncer in situ”, trata-se daquele que se contém em alguma região da mama, sem se disseminar para outras regiões.

Tal membrana que faz o revestimento do tumor não tem rompimento e os elementos celulares se concentram por dentro dos nódulos.

Já a categoria invasiva ocorre quando tal membrana tem o rompimento e os elementos celulares de câncer promovem a invasão em outros lugares do corpo.

Todos os “câncer in situ” apresentam potencialidades para que se transformem em invasores.

Causas do Câncer de Mama

Dentre as causas do câncer, em questão, podemos citar os seguintes critérios:

  • hereditariedade;
  • faixa etária;
  • menstruação precoce;
  • menopausa tardia;
  • colesterol alto;
  • reposições de hormônios;
  • ausência da gravidez;
  • obesidade.

Sintomas do Câncer de Mama

Dentre os sinais deste câncer, há a variação de sintomas, de acordo com o estágio, o tamanho e o tipo do tumor. Grande parte dos tumores mamários, quando de início, são assintomáticos.

Se o tumor já estiver perceptível ao tocar os dedos, isso significa quem ele possui uma média de 1cm³ – tratando-se assim de um lesionamento grande.

Portanto, é imprescindível que se façam os testes de prevenção como mamografias em faixa etárias adequadas, antes mesmo do surgimento deste e de quaisquer outros sinais do câncer.

Confira outros sintomas que podem acometer o organismo a partir desta patologia:


  • inchaços, calores e vermelhidões na pele;
  • modificação na forma do mamilo e da mama, de forma principal as modificações atuais;
  • nódulo axilar;
  • pele enrugada como cascas de laranja;
  • secreções escuras que saem pelos mamilos;
  • em estágio avançado – as mamas podem abrir feridas.

Estadiamento

A patologia tem divisão entre 4 estágios, de acordo com a extensão da patologia que variam de estágio zero ao estágio quatro.

Fase 1

Os elementos celulares do câncer ainda estão pertencentes aos ductos. Portanto, aqui, a condição sempre tem cura.


Fase 2

O tumor apresenta tamanho menor que 2cm, sem acometer as glândulas linfáticas axilares;

Fase 3

Os nódulos maiores de 5cm podem alcançar estruturas vizinhas como a pele e os músculos, de mesma forma que os elementos das glândulas linfáticas. Porém, ainda não existem indícios de que a patologia teve espalhamento pelo organismo;

Fase 4

Tais tumores de quaisquer tamanhos que apresentam metástases e, de modo geral, existe o comprometimento da glândula linfática. No país, uma média de 60 a 70% das situações têm o diagnóstico em fase 3 ou 4.

Tratamento para Câncer de Mama

Há diversas opções de tratamento para a patologia, em questão, que podem ter a combinação ou não. Todos os cânceres devem ter a retirada a partir de intervenção cirúrgica, que podem ainda eliminar uma parte ou a íntegra da mama.

Contudo, em determinadas situações, é possível que o procedimento cirúrgico tenha combinação com demais tratamentos.

O que determina a seleção do tratamento é ausência ou presença das substâncias receptoras de hormônios, estadiamento e apresentação ou não de metástases.

Terapia Local do Câncer de Mama

A patologia tratada de forma local tem submissão a intervenção cirúrgica parcial ou de forma total, e depois disso as intervenções com radioterapias.

Intervenção Cirúrgica

Trata-se de um tipo de tratamento mais antigo da patologia. Ao passo que o tumor se encontre em fase de início, retirar o tumor é muito fácil e de menor comprometimento mamário.

Radioterapia

Esta é a terapia que utiliza a radiação de íons na região do tumor. É frequentemente usada para os tumores que não se disseminaram ou em não-metástases para os que não houveram necessidade de retirar grande parte das mamas.

Esta intervenção pela radioterapia também pode ter uso em situações em que o tumor não pode ter retirada íntegra. Também ocorre quando se deseja reduzir os riscos da incidência do tumor. Tem duração aproximada de 30 dias.

Terapia Sistêmica

O tratamento sistêmico acontece com uma junção medicamentosa que têm infusão oralmente ou de forma direta na circulação do sangue. Em ambas as situações, o tratamento não é realizado de maneira local.

O remédio tem circulação pelo organismo todo, incluindo na região em que o tumor se localiza. Existem 3 categorias da terapia sistêmica:

Quimioterapia

Trata-se do uso de remédios de forma oral ou intravenosa, com o intuito de fazer o controle ou a destruição da inibição do aumento dos elementos celulares doentes.

Quimioterapia pode ser realizada na pré ou pós intervenção cirúrgica. O período de tratamento tem variação de acordo com a patologia e o indivíduo.

Hormonioterapia

O intuito é impedir que o efeito hormonal faça com que os elementos celulares cancerígenos aumentem. Tal terapia, por isso, pode ter uso apenas em indivíduos que tenham, no mínimo, uma substância receptora hormonal no tumor que apresenta.


De modo geral, é realizada oralmente, e as substâncias bloqueiam ou suprimem as ações hormonais sobre o organismo prejudicado.

Imunoterapia

A categoria terapêutica é composta por uso de drogas que promovem o bloqueamento de alvos determinados proteicos ou sistemas divisores de células que estejam presentes nos tumores ou nos elementos celulares.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.