Blefarite: O Que é, Causas, Sintomas e Tratamento

Confira Todas as Informações Sobre a Blefarite. Veja as Causas, Sintomas e Opções de Tratamento Para Esta Condição que Acomete a Saúde!

O Blefarite é um tipo de inflamação comum que prejudica a pálpebra. De modo normal, acontece na área em que há o crescimento dos cílios, causando a coceira, irritação e vermelhidões.


De forma frequente, a doença apresenta recorrência, que ocorre em todas as faixa etárias e pode ter desconforto, porém não provoca danos efetivos à vista.

O Que é Blefarite?

Blefarite

A patologia é um tipo de inflamação na borda da pálpebra que causa o aparecimento de crostas, remelas e demais sinais como prurido, vermelhidões e sensação de apresentar ciscos nos olhos.

Esta modificação é comum e pode aparecer de um dia a outro, em indivíduos de quaisquer idades. Isto incluindo bebês, e é provocada por modificações na glândula de Meibomius.

Ela se responsabiliza pelo mantimento do equilíbrio da umidade dos olhos.

Desse modo, quando há esta condição, as glândulas não apresentam mais a capacidade de produção do óleo necessário para conter lágrimas, potencializando inflamações, havendo a necessidade de avaliação por especialista de Oftalmologia.

Outras patologias que, prejudicam, também, as pálpebras oculares correspondem ao terçol.

De forma científica denominado como hordéolo, trata-se de uma modificação das pálpebras que fica avermelhada e inchada e, portanto, sempre que houver a irritação dos olhos, ou o inchaço, é preciso consultar o especialista.

Causas da Blefarite

As coceiras na região dos olhos são, em grande parte das situações, sinais de alergias específicas como as seguintes:

  • pólen;
  • poeira;
  • fumaça;
  • pelos de animais.

Estes elementos acabam entrando em contato com a região dos olhos e fazem com que o organismo faça a produção da histamina – substância que provoca inflamações nos locais, que resultam em sinais como vermelhidões, coceiras e inchaços.

Sintomas da Blefarite

A condição não se trata de uma patologia de contágio e os sinais fazem a inclusão de não é uma doença contagiosa e os sintomas incluem:

  • inchaço e vermelhidão da pálpebra ocular;
  • presença de escamas e crostas nas pálpebras;
  • irritação e prurido nos olhos;
  • sensação de existência de ciscos nos olhos;
  • olhos lacrimejantes com constância;
  • fotofobia – dificuldade em abrir os olhos com o sol.

Ainda, demais sinais têm o costume de presenciar perdas de cílios e ao longo do sono, a pálpebra pode colar, tendo dificuldade em fazer a abertura dos olhos cedo.

A poluição elevada, o excesso do óleo na pele, muita poeira, utilização de ar condicionado e ar seco tornam mais fáceis a instalação da condição.


Tratamento Para Blefarite

O tratamento desta condição é muito simples e possível de ser realizado com uma limpeza adequada dos olhos. É importante fazer uso de colírios para higienizá-los, bem como fazer a remoção de remelas e crostas.

Contudo, pode ter utilidade as compressas em temperatura morna, na região dos olhos, todos os dias, em período de duas a quatro vezes ao dia, até que se complete a remissão dos sinais.

Ao passo que a pessoa tenha esta condição provocada por rosáceas oculares, a recomendação é utilizar substâncias antibióticas em formato de drágeas.

Contudo, o especialista também pode fazer a indicação da utilização de cremes antibióticos, compostos por tetraciclina.

Eles podem ter aplicação na região dos olhos antes de pegar no sono, em razão de que podem embaçar a vista.

Tratamento Caseiro

Em relação a tratamentos feitos em casa para as pálpebras inflamadas, é preciso escolher pela ingestão de alimentação anti-inflamatória.

Exemplos destes são a laranja, salmão e acerola para o aceleramento da cura. Ainda, as compressas com camomila são passíveis do auxílio para a calmaria da pele e da irritação, proporcionando alívio dos sinais.


Basta que se prepare uma infusão de camomila composta por colher de flores em uma xícara com água em temperatura fervente. Deixe que repouse pelo tempo de 5 min.

Depois disso, coe e deixe a solução preparada para ter uso.

Para a limpeza correta dos olhos em período desta condição, é preciso fazer o seguinte:

  • lave bem as mãos;
  • coloque gotas de colírio ou infusão de camomila posteriormente a preparação no cotonete, compressa ou gaze;
  • olhe para cima ao passo que faz a limpeza da pálpebra debaixo e feche o olho ao limpar a pálpebra de cima;
  • lave as mãos de novo.

Não tente fazer a retirada das crostas sem o uso de colírio, em razão de que a remoção pode acabar deixando a área sensibilizada e com irritação.

Ao passo que os sinais estejam presentes, é preciso evitar o uso de maquiagens, lentes de contatos e afins. Isto porque, desta forma, promove-se o aceleramento da cura.

A duração do tratamento pode ter variação de semanas até meses. Isto, sendo que, em algumas situações, a demora é reflexo de patologias que devem ter o tratamento correto.

Melhora

O quadro de melhora aparece posteriormente ao começo do tratamento com a redução das irritações oculares e das crostas.

Piora

Há características de agravamento ou permanência dos sinais, bem como sensação de areias com frequência. O olho  vermelho que tende a não melhorar, com secreção que persiste é sinal de piora da condição.

Complicação

É possível que surjam complicações em virtude da elevação dos elementos bacterianos. Isto faz com que se desencadeia sintomas de maior força como prurido intensa e olhos irritados.

Também é possível que aconteçam em razão da higiene ruim dos olhos ou das aplicações incorretas dos remédios indicados.

Portanto, nestas situações, o especialista pode fazer a recomendação da utilização dos corticosteroides na forma de pomadas.


O melhor modo de se evitar a condição, em questão, é não permanecer esfregando os olhos com as mãos e sempre preservar a região limpa.

Por mais que você se sinta bem, faça um Check-up  uma vez por ano.  Exames regulares ajudam seu médico acompanhar sua saúde e identificar alguma ameaça de doença, colocando você no caminho do tratamento.