Ansiedade: O Que é, Causas, Como Tratar

De acordo com dados publicados pela Universidade de São Paulo (USP), Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras instituições que desenvolvem estudos e pesquisas sobre Ansiedade, o Brasil é considerado o país com a maior taxa de Ansiedade, estresse e depressão, o campeão da América Latina. Confira os dados!

Segundo a OMS, o ranking dos últimos dez anos revela que 9,3% da população brasileira sofre os efeitos da Ansiedade, uma doença que leva a transtornos obsessivo-compulsivos, picos de estresse, depressão, pânico entre outros desdobramentos.


Este percentual representa o triplo da média mundial. E alerta que as mulheres compõem o maior índice, na casa dos 7,7%, e os homens, com 3,6%.

Diferença Entre Ansiedade, Estresse e Depressão?

Ansiedade

É importante esclarecer essa diferença, uma vez que as pessoas geralmente se confundem entre esses três transtornos que têm aspectos similares e sintomas distintos e que podem se perpassar.

Alline Campos, professora da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), da USP, explica no site do Jornal da USP:

“Estresse é uma coisa que vivemos e estamos expostos a todo o tempo; a Ansiedade é uma doença grave relacionada com o futuro, a pessoa sempre sente receio em tudo o que vai fazer. Já a depressão está relacionada ao passado, algo que é um peso; a pessoa se sente deprimida, incapaz de expressar seu sentimento e com medo de lidar com certas situações.”  

O Que é Ansiedade?

As mudanças contínuas em todos os setores, das quais é praticamente impossível fugir, fazem parte da correria do dia a dia.

Os excessos cometidos pelas próprias escolhas ou aos quais as pessoas são expostas, nas rotinas estressantes que abrem espaço para a Ansiedade, que pode ser uma emoção normal ou uma debilidade.

Ansiedade é um transtorno que afeta diretamente o sistema cerebral, altera a forma como o cérebro processa as informações e o sentir diante de um determinado cenário, seja ele bom ou ruim.

É um acometimento que pode refletir aspectos positivos ou negativos, por exemplo: quando sinaliza algo, um estado de alerta que oportuniza um preparo para algum enfrentamento, para arquitetar possíveis soluções, sendo deste modo acatada como positiva, mas quando se torna um acometimento frequente, recorrente, em proporções que afetam as ações, os pensamentos, a qualidade de vida, desestabiliza o indivíduo física e emocionalmente, é porque ultrapassou o limite do saudável, e isto é negativo.

O tratamento pode envolver abordagens tais como:


  • Psicoterapia: o psicólogo pode ajudar a entender os fatores desencadeadores da Ansiedade e a reduzir os sintomas.
  • Psicanálise freudiana: envolve o autoconhecimento, trazendo o inconsciente para o consciente, o psicanalista direciona para o entendimento das raízes do problema.
  • Psicanálise junguiana: leva em conta o que é reprimido, o inconsciente, busca o autoconhecimento e o resgate da essência do indivíduo, para entender o processo e tratá-lo.
  • Psicanálise lacaniana: trata pela associação livre de palavras, tem na linguagem o caminho ao núcleo do ser, para entendimento e condução da análise.
  • Gestalt: uma terapia holística que considera o todo, o em torno, o ambiente em que se insere o indivíduo, direcionando a análise é feita por meio de conversas, perguntas, descrições das situações e considerações.
  • Terapia cognitivo-comportamental: analisa problemas específicos e como melhor saná-los, foca-se na resolução de traumas, fobias e funciona muito no tratamento do TOC.
  • Terapias complementares: reúnem práticas meditativas, como atenção plena (mindfulness) e meditação transcendental, existem evidências científicas de seus benefícios. O princípio é se concentrar na respiração ou em alguma palavra, no momento presente ou nas sensações corporais, sem brigar ou se apegar às ideias que vêm à mente.
  • Os remédios usados são: antidepressivos, ansiolíticos e antipsicóticos, todos devem ser receitados por um especialista. Esses remédios aliviam sintomas, sem melhorar a causa, que deve ser tratada por um médico/especialista; são paliativos, podem causar dependência. Entre os remédios mais indicados estão: Clonazepam, Diazepam, Donaren, Fluoxetina, Lexotan, Lorax, Lorazepam, Rivotril etc.

Recomendações Adicionais

Se conhecer alguém com os traços descritos neste post, esta pessoa precisa de ajuda!

  • Incentive-a a procurar ajuda médica.
  • Recomende hábitos saudáveis – exercícios, alimentação, cuidar do tempo/jornada de trabalho entre tarefas, lazer e descanso.

Quais São as Principais Reações?

A Ansiedade se manifesta de várias formas, são vários sinais por meio de sintomas psicológicos (emocionais) e físicos, sendo os principais:

Sintomas psicológicos:

  • Angústia;
  • Apreensão;
  • Descontrole sobre pensamentos;
  • Dificuldade de concentração;
  • Dificuldade para dormir, insônia;
  • Incapacidade de relaxar – tensão, nervosismo;
  • Inquietação e irritabilidade;
  • Medo;
  • Sensação de estar “no limite”;
  • Transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Sintomas físicos:

  • Boca seca;
  • Cérebro não desliga;
  • Dor no peito e taquicardia;
  • Falta de ar;
  • Formigamento;
  • Náusea;
  • Ondas de calor, calafrios e tremores;
  • Respiração ofegante;
  • Sensação de desmaio, fraqueza, cansaço;
  • Sudorese;
  • Tensão muscular;
  • Urgência para ir ao banheiro.

Como Tratar a Ansiedade?

A Ansiedade é diagnosticada clinicamente, mediante análise dos sintomas apresentados pelo indivíduo, o seu histórico, uma vez que não há como confirmar tal transtorno por meio de exames clínicos, muito embora os sintomas físicos podem demandar a solicitação de testes pelo médico para descartar outras doenças.

Os distúrbios são tratáveis, mas para isso são necessárias mudanças internas e externas.

Descartadas as possibilidades de outras patologias, essas mudanças envolvem replanejamento de vida, reeducação.

O indivíduo deve fazer uma coisa por vez, impor-se limites, sem sentir culpa. Transformar o dia a dia em algo prazeroso, otimizar o tempo, administrar cada item da sua rotina de vida.

  • Alerte para não se automedicar, apenas um médico/especialista poderá ministrá-los.
  • Seja um bom ouvinte, sem julgar, afinal é sofrível para quem vive em estado de Ansiedade.
  • Não deixe sozinha a pessoa que estiver em crise de Ansiedade, tente acalmá-la, faça com que ela respire fundo e devagar.
  • Se necessário, leve-a ao médico, a um pronto socorro.

Por fim, lembre-se que o diagnóstico da Ansiedade somado a um tratamento e acompanhamento são passos imprescindíveis para alcançar resultados positivos, logo no começo.


Hábitos saudáveis físicos, alimentares, espirituais e outros tantos são indispensáveis, o tratamento envolve o alinhamento de corpo, mente e espírito.


Por mais que você se sinta bem, faça um Check-up  uma vez por ano.  Exames regulares ajudam seu médico acompanhar sua saúde e identificar alguma ameaça de doença, colocando você no caminho do tratamento.

IMPORTANTE: Esse conteúdo é apenas para fins educacionais e não substitui de forma alguma a orientação de um médico. Consulte sempre um médico.